III Mostra de Criatividade e Marketing Empresarial é realizado na Uniuv

Repórter: Raffael Suda

Na terça-feira, 13, ocorreu no Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv) a III Mostra de Criatividade e Marketing Empresarial. Alunos dos cursos de Administração, Jornalismo, Publicidade e Propaganda participaram.

Os acadêmicos do quinto semestre de Jornalismo estavam divulgando a empresa “União News” que foi realizada na aula de Empreendedorismo e Gestão de Recursos, ministrado pelo professor Tiago J. Kohut. A empresa busca trabalhar com jornalismo regional com duas formas de divulgação: na plataforma online (que será criado um portal digital com noticias regionais trazendo fatos relevantes para a população) e no impresso (que inicialmente será entregue nas bancas e posteriormente será entregue nas residências dos assinantes).

Outra empresa que estava sendo divulgada no evento é a “Eko Publicidade”, elaborada por três acadêmicos do quinto semestre de Publicidade e Propaganda da Uniuv. Gustavo Jung, um dos sócios da empresa, conta que a agência trabalha apenas com serviços online, não impresso. Ele explica que a agência oferece planejamento de postagens para o Facebook e Instagram (com ou sem impulsionamento), atualizações para os sites, criação ou recriação do design do site. “O cliente terá a garantia dos nossos serviços todo mês, será enviado relatório do que será postado, a forma e quando serão publicados, quais foram os alcances dos sites, redes sociais e das postagens”, afirma Gustavo.

Confira algumas fotos do evento:

Acadêmicos de Publicidade e Propaganda desenvolvem projetos empreendedores na III Mostra de Criatividade e Marketing Empresarial

 

Repórter: Regiane Antonina Stachera

 

Na terça-feira (13), aconteceu a III Mostra de Criatividade e Marketing Empresarial na Uniuv. Os cursos de Publicidade e Propaganda, Jornalismo, Sistemas de Informação e Administração apresentaram ao público projetos empreendedores que são resultados de um trabalho realizado desde o início do semestre, orientados pelo professor Tiago Kohut. Ele explicou que foi um projeto feito para imaginar uma possibilidade de empreendimento dentro da formação dos acadêmicos. “A ideia da III Mostra é criar um produto ou serviço olhando para o consumidor, olhando para a nossa região para perceber qual será o segmento de mercado para trabalhar. Com isso os alunos começaram a pensar em um negócio e desenvolveram um plano de negócio.”

O curso de Publicidade e Propaganda apresentou dois projetos empreendedores. O grupo “Eko Online” formado por Gustavo Jung Reisdorfer, Luciane Menegassio Casal e Monique Woeltje Tavares apresentou uma agência de publicidade que utilizaria somente a plataforma online. O grupo decidiu optar pelo nome da agência pensando em cuidar do meio ambiente, da ecologia.  Atendendo União da Vitória e região, o público está focado entre as médias e pequenas empresas. Ao ver o projeto realizado, o olhar dos acadêmicos é de entusiasmo. “Estou muito orgulhosa. Foi muito trabalhoso, mas no fim conseguimos um bom trabalho e montamos uma empresa. Fizemos todo trabalho do setor financeiro, calculamos quanto gastaríamos e investiríamos para saber se valeria a pena”, conta Monique. Para Luciane, o sentimento é de realização. “Estou vendo uma coisa que tem potencial para que sempre cresça. Tem pessoas como nós que acreditam na parte online e pensam no futuro, no meio ambiente”.

 

 

Outro projeto apresentado pelos alunos de Publicidade e Propaganda foi a empresa “Star Four”. O grupo é formado por Paula Schreiner, Luana Sznicer, Alexandre Niemes e Guilherme Bochnia. A empresa tem o objetivo de fazer assessoria para famosos e pessoas físicas. Para famosos, o atendimento é prestado para a assessoria de imagem e assessoria de imprensa para cantores, jogadores de futebol e políticos. “Nossa empresa cuida da imagem da pessoa, da rede social.  Nós também damos dicas do que usar na entrevista de emprego, como se portar, dicas sobre a empresa e sobre a entrevista, explica Paula. Os alunos da empresas “Star Four” convidavam os visitantes  para tirar uma foto e participarem da experiência de assessoria de imagem. Para cada personagem, os alunos montaram cenários de celebridade, político e jogador de futebol. Em uma mesa, foi disponibilizado roupas para que a foto ficasse mais real, como plumas e camisas de futebol. Explorando a criatividade, Paula conta que é muito interessante construir e apresentar um trabalho sólido.

O acadêmico Guilherme Bochinia enfatiza a inovação. “Tivemos uma ideia tomada em grupo para um setor que aqui na cidade não existe, como cuidar da imagem de pessoas famosas ou anônimas. Resolvemos criar e aperfeiçoar a nossa empresa para atingir esse público”. Luana se mostrou realizada com o projeto inovador. “A proposta do professor trouxe pra gente uma maneira de exercitar na prática o que aprendemos na teoria. Esse tema que escolhemos é bem diferente”.

 

Comunicadores também são empreendedores

Acadêmicos da Uniuv apostam na abertura de suas próprias agências

Repórter: Paula Eliandra Partyka

             No curso de Comunicação Social os acadêmicos têm aula de Empreendedorismo e Gestão de Recursos para capacitar e ensinar, entre outras coisas, quais os desafios de um novo negócio.

O professor Tiago J. Kohut, que ministra essas aulas, conta que é de grande valia os acadêmicos se arriscarem no mercado de trabalho, visto que durante sua graduação possuem subsídio e conhecimento para se tornar um bom gestor de sua própria empresa.  “Normalmente o pessoal de Comunicação entra no mercado com uma proposta na área deles, e essas empresas hoje estão no mercado sendo praticamente referência, pois os alunos são muito bons”, afirma Kohut.

Confira aqui uma breve entrevista com Kohut:

Guilherme Bochnia que cursa o quinto semestre de Publicidade e Propaganda é sócio da Rhino Publicidade, juntamente com Renan Senff que é egresso da Uniuv. Eles conta um pouco sobre essa sociedade. Confira:

 

A proprietária da King Comunicação é Keety Hoberg, que está no último ano de Publicidade e Propaganda. Keety relata de onde surgiu a necessidade de criar sua própria empresa e também dá um feedback sobre a importância de já estar no mercado de trabalho.

 

Doing oferece estágio para acadêmicos de Comunicação

Repórter: Douglas do Amaral Martins

A Doing – Agexcom foi criada em 2002 junto com a implantação dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda, e tem como objetivo aproximar o acadêmico ao mercado de trabalho. Inicialmente, os alunos trabalhavam de forma voluntária para aplicar profissionalmente o que aprendiam durante as aulas. Em 2015 a agência passou por uma reformulação e agora os estagiários são remunerados para atender o setor de comunicação da Uniuv.

Segundo a acadêmica Ivana Caroline, que é estagiária da Agência e cursa Jornalismo, a Doing atende todas as demandas dos colegiados do Centro Universitário. “Então, nós atendemos todos os cursos da Uniuv, ajudando a divulgar os eventos que são realizados nos colegiados. Também atendemos a demanda da própria Uniuv e buscamos interagir com os acadêmicos e comunidade por meio da nossa página no Facebook, utilizando uma linguagem mais jovem, bem humorada, mas que também saiba falar seriamente quando necessário”, relata Ivana.

Ela também fala sobre os eventos realizados pela faculdade, que tem o total auxílio da agência. “Quanto aos eventos, existem alguns que já fazem parte do calendário fixo, como Rio Limpo, Festa Junina, Jogos Intercursos e Set List. Desses, nós só organizamos o Set List, porém damos apoio em todos os outros. Além disso, temos dois vestibulares por ano, que também podem ser vistos como eventos. Eles demandam uma atenção maior, pois desenvolvemos campanhas para divulgá-los”, disse.

Segundo o professor  Fernado Gohl, há uma série de canais de comunicação na instituição, e o pessoal da agência está trabalhando para unificar todos esses meios. “Isso acaba pulverizando nosso público e, muitas vezes, as pessoas não encontram certas coisas”, conta Gohl.

Sobre a rotina da Doing, não existe um dia específico para reuniões de pauta, pois estão sempre juntos na sala. “Então conforme o job (trabalho) chega é organizado. Temos uma planilha para ter um controle do que está sendo feito e também utilizamos bastante o Facebook para nos comunicarmos com o professor Lúcio Passos, que é coordenador da agência, visto que ele não pode ficar o dia inteiro aqui”, fala Ivana.

Aulas práticas dos Cursos de Comunicação são diferenciais

Alunos de Publicidade e Propaganda aprendem a produzir e editar vídeos para empresas locais

Repórter: Paula Eliandra Partyka

 Os acadêmicos do quinto semestre de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv) iniciaram o aprendizado em Produção Publicitária em TV e Cinema I, disciplina ministrada pelo professor Fernando César Gohl. Nas aulas, eles aprenderão edição de vídeos com embasamento teórico, história da TV e cinema, roteiro, plano de câmera, entre outros.

Neste momento em específico, os alunos estão aprendendo na prática a editar vídeos, e o professor propôs a eles que produzissem seus próprios vídeos para começar a usar o software de edição, que é o Adobe Premier, específico para vídeos e ideal para este trabalho. Segundo Gohl, o tema escolhido para o vídeo foi “Dez fatos: nove verdades e uma mentira”, entrando no ritmo da brincadeira que estava tomando conta do Facebook nos últimos dias. “Algumas coisas a gente tenta fazer um comercial que possa ser colocado no ar, que vá para o Facebook ou para a TV.” Porém, Gohl diz que esse trabalho não será divulgado pois é experimental.

No ano de 2015 e 2016, os acadêmicos que hoje estão formados ou no último semestre produziram comerciais, que foram enviados para as empresas escolhidas para serem representadas. As empresas não são avisadas antecipadamente para não haver limitações por parte delas. “Pego os dados da empresa, levanto o que é preciso, do que eu imagino que seria um problema de comunicação da empresa ou sugiro apenas para divulgar a empresa e seus serviços. E, aí, a galera produz. Depois eu mando para a empesa”, completa Gohl.

O curso de Publicidade e Propaganda inclui o áudio visual em seu currículo e essa disciplina ensina o acadêmico a criar nessa linguagem, uma das mais consumidas atualmente. “O vídeo é a forma de comunicação mais completa e a tendência é transformar as coisas em vídeo”, finaliza.

Trabalho produzido pelos alunos de Publicidade e Propaganda – Uniuv 2015

 

Trabalho produzido pelos alunos de Publicidade e Propaganda – Uniuv 2016

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1066664363389554&id=916034075119251

 

 

Primeiro bimestre: a hora da verdade

Repórter: Juliano Bertoldi

No dia 27 de abril, foram divulgadas as notas no site do Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv). Assim, acabou a curiosidade da maioria dos acadêmicos em relação aos seus desempenhos avaliados no primeiro bimestre. Ansiedade, nervosismo, preocupação foram alguns dos sintomas percebidos pelos acadêmicos até a divulgação.

A avaliação dessa primeira etapa pela caloura do curso de Publicidade e Propaganda, Victória Regina de Almeida, é que foi superada todas as expectativas positivas. Victória salienta o tratamento diferenciado que se tem na Uniuv. “São todos muito atenciosos, em especial todos dos cursos de Comunicação. São todos comunicativos é claro, e isso me fez sentir mais próxima. Fui bem acolhida”, conta.  Se tivesse que destacar um ponto negativo, ela é convicta em dizer que não encontrou nenhum. “Se eu falar que tem alguma coisa que me incomoda, estaria mentindo.”

Que meme você escolhe?

A expressão meme de Internet é usada para descrever um conceito, uma ideia ou uma informação que pretende-se divulgar por meio da sátira, do humor, utilizando imagem, vídeo, áudio que se espalha via Internet. Para ilustrar a trajetória durante o primeiro bimestre, foi perguntado aos alunos qual meme o identifica.

O meme que Victória se identificou nesse primeiro bimestre foi o da atriz Vera Holtz, que ilustra estar carregando as energias. Ela conta que por estar fazendo estágio na biblioteca, entra de manhã e só volta a noite para casa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Já para aluna Eduarda Benvenutti, o meme que representa seu desempenho nesse bimestre foi “I am very confundida”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pontos positivos e negativos Eduarda avalia:

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

E sobre o que ela espera do próximo bimestre é aprofundar mais nos assuntos que foram iniciados nesse primeiro bimestre. “E continuar com as notas boas e me esforçando cada vez mais”, conta Eduarda.

Em comparação feita pela veterana do curso de Publicidade e Propaganda, Luana Aparecida Sznicer, foi que esse ano já começou mais corrido. Mesmo assim, está feliz com as notas e seu desempenho. Ela acredita que foi bem, mas sempre espera melhorar a cada bimestre. “Um fator negativo acredito que seja o novo sistema utilizado. Percebi que bastante gente estava reclamando, porque não conseguia acessar o sistema e ver suas notas”, conta Luana.

Para ela, o fator positivo é que a Uniuv é maravilhosa. “A coordenadora do meu curso é perfeita, e todos os professores estão sempre dispostos a nos ajudar e resolver nossos problemas”, finaliza.

 

 

Imaginação e criatividade fizeram parte da Mostra do Coltec 2015

O evento tomou conta de toda a estrutura do Coltec e do Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv). Os projetos estavam sendo apresentados no saguão, nas salas de aulas e também nos laboratórios. Continue reading “Imaginação e criatividade fizeram parte da Mostra do Coltec 2015”

‘Série Criativa’ é produzida por acadêmicos de Comunicação Social

Acadêmicos de Comunicação Social produziram um trabalho com o intuito de mostrar a criatividade trabalhada em sala de aula. O projeto chamado de ‘Série Criativa’ foi criado pelo professor Fernando Gohl

Continue reading “‘Série Criativa’ é produzida por acadêmicos de Comunicação Social”

Construindo sua sorte e transformando teorias em práticas

Esse foi o tema da palestra de Caio Moreira Guimarães, no XII Encontro Anual de Produção Científica (EnAProC) da Uniuv Continue reading “Construindo sua sorte e transformando teorias em práticas”

Acadêmicos de Comunicação participam das campanhas de vestibular da Uniuv

Os acadêmicos de Comunicação Social têm participação ativa nas campanhas de vestibular da Uniuv
Continue reading “Acadêmicos de Comunicação participam das campanhas de vestibular da Uniuv”

Jornalismo da Uniuv está entre os 10 melhores do Paraná

O curso de Jornalismo da Uniuv se destacou no RUF 2015, ficando assim entre os dez melhores do Paraná.

Continue reading “Jornalismo da Uniuv está entre os 10 melhores do Paraná”

Agência Experimental de Comunicação está de cara nova

A Agência Experimental de Comunicação (Agexcom) mudou! Novos ares deixaram a agência com a cara do curso de Comunicação Social.

Continue reading “Agência Experimental de Comunicação está de cara nova”

Banda Polonesa sela união entre Uniuv e Kielce

 

Na noite de quarta- feira, 26 de agosto, o Cine Teatro Ópera ficou pequeno para os acadêmicos da Uniuv. O espaço, que ficou lotado, recebeu a banda Show Wolosatki, diretamente da Polônia. Continue reading “Banda Polonesa sela união entre Uniuv e Kielce”

Garoto e Garota Uniuv 2015 é um sucesso de público

O evento aconteceu no The Hall, no dia 14 de agosto, e a aceitação foi tão positiva que o público pede “bis” Continue reading “Garoto e Garota Uniuv 2015 é um sucesso de público”

OPINIÃO: o primeiro semestre segundo a professora!

Muita expectativa e curiosidade. Assim iniciam todos os anos letivos no curso de Comunicação. Especificamente falando dos alunos de Jornalismo do quinto semestre, estas qualificações vão se transformando no decorrer do semestre. O que era curiosidade passa a ser cansaço. O que era expectativa, vira noites em claro. Este é um ano decisivo no curso, e ele ainda está na metade. Ao questionar os alunos sobre como eles avaliam este primeiro semestre, muita crítica, ideias e algumas frustrações. Abaixo, é possível conferir como cada um avaliou este semestre e é visível o quanto o curso está preparando muito mais que profissionais, mas Jornalistas qualificados.

Não posso deixar de lembrar que para colocar em prática todos os conceitos, teorias, regras, sonhos e fantasias jornalísticas é preciso colocar a “mão na massa”. Escrever, reescrever, escrever de novo, gravar, regravar, fotografar, filmar, ajustar, entrevistar, pesquisar, ler (muito). Quando isso acontece no período da faculdade, nada mais é do que um treino, uma amostrinha do que o mercado de trabalho reserva.

Fazer Jornalismo é fantástico, mas é para quem gosta. Trabalhar sobre pressão e pensar em mil coisas ao mesmo tempo faz parte. Receber críticas e nem sempre ouvir que sua matéria estava boa é mais comum do que se imagina. Isso tudo não só na faculdade, mas lá fora!

Nós, professores, nos esforçamos para dar aos alunos o máximo de informações possíveis para que possam efetivamente aprender. Mas, por maior que seja nosso esforço, o que conseguimos repassar de conhecimento nunca é o suficiente.  É neste momento que entra o interesse do aluno e sua disponibilidade de fazer acontecer.  Às vezes, também pecamos na forma de fazer. Erramos, tentando acertar!

Como eu avalio esta turma? Em constante crescimento: pessoal e profissional. Cada um com um ritmo diferente, claro. Assim como o meu ritmo nem sempre consegue acompanhar o ritmo que deveriam ser as atualizações do blog, por exemplo. Mas é um aprendizado também meu… É uma mudança que vai acontecer. Mas quando eu corrijo textos que tem poucas alterações ou quando a criatividade e a responsabilidade na forma de transmitir a informação são levadas a sério, me faz pensar que “sim”, estamos todos aprendendo. Estamos evoluindo… com direito a brinde e tudo!

Abaixo, os textos dos alunos foram postados na íntegra, da forma que eles escreveram, com seus erros e acertos. Assim, é possível ver realmente suas opiniões e a expressão de seus pensamentos.

Obrigado por este semestre. Os próximos passos, vamos caminhando juntos.

Ana Cristina Bostelmam

Professora de Jornalismo On Line

 

OPINIÃO: o primeiro semestre segundo Fernanda Pereira Santos

Quando alguém inicia uma faculdade imagina que o caminho não será fácil. Porém, só realmente saberá se ver com seus próprios olhos e sentir na pele que querer ser alguém melhor profissionalmente não é uma tarefa nada fácil.

Por ouvir comentários de quem já estudou o quinto semestre do curso, pode-se ter uma noção de que muitas coisas mudariam dali para frente. As aulas tão cansativas de inúmeras teorias e exercícios intermináveis passariam a nos custar um precioso tempo.

Inicia o ano letivo, e logo eu começo a trabalhar em um jornal impresso local. Essa foi uma de minhas metas traçadas para 2011 e eu a consegui realizar rapidamente. Assim, começaria o ano letivo e boa parte de minha vida, por este tempo, se resumiria no trabalho e no curso.

Quando a grade curricular chegou em nossas mãos ficamos entusiasmados com tantas aulas práticas. Achamos que tudo seria incrível e que gravar, escrever e falar seriam fáceis adaptações. No início, a animação tomou conta de toda a turma que não via a hora de estarmos nos laboratórios trabalhando.

Primeiro bimestre e os onze rostos já demonstravam certo cansaço. Veio o alívio de dever cumprido quando as notas apareceram. Mesmo exausta, a turma respirou fundo e entrou para mais uma aventura universitária. Desta vez, nossos trabalhos nos comprometeriam ainda mais.

No início, cogitou-se o Trabalho de Conclusão de Curso (T.C.C.) e todos fizeram a sua parte entregando à professora com o prazo determinado. Pensamos que agora se iniciaria uma onde de mais tranqüilidade.

Acordar cedo em dias de muito frio, trabalhar oito horas por dia, mal tomar banho e almoçar faz parte da rotina de todos na sala. Várias vezes fiquei até as três horas da manhã fazendo trabalhos e estudando para as provas. Dormir em cima do computador e acordar com as atividades por fazer tornou-se um prática bem conhecida.

No dia seguinte, sete horas e o relógio me desperta avisando que lá fora um dia já começou e que eu devo o seguir. A casa torna-se uma pista de corrida por tantas voltas até se organizar e sair para o trabalho. No caminho, bate aquele desespero ao lembrar que um trabalho não foi feito. E agora? No jornal o tempo é escasso e não há como fazer. O que resta é ir ao CPD e tentar fazer algo para apresentar. Porém, o problema é que em vez de o CPD ajudar acaba nos prejudicando com os vírus que ficam em nossos pendrives e arquivos.

O segundo bimestre nos reservou algumas surpresas. Achei que a turma agüentaria firme as pressões vindas de todos os lados, como a família e trabalho junto a faculdade, mas notei que isso não estava ocorrendo quando eu mesma, no desespero para a entrega de um trabalho, chorei feito uma criança que queria comprar um doce e a mãe não deixou. A partir daí, me dei conta de quem nem eu e nem meus colegas estávamos bem com a situação. O estresse tornou-se nosso companheiro cotidiano, lado a lado, testando nossas capacidades e limites.

Enfim, chega sexta-feira. Olhares cansados e tristes, mas felizes por poderem estar um pouco em casa. Sair com os amigos para relaxar? Isso tornou-se quase impossível, pois há um estudo preliminar e uma quantia enorme de trabalhos me esperando para que eu faça e termine até a noite do domingo.

De repente o telefone toca. Marcelo me liga e relembra que amanhã é a nossa vez de atualizar o blog. O quê? Inicia um novo estresse. Parece que há pouco tempo fizemos isso, mas na realidade, não. Inicia a busca por pautas e fontes que queiram nos conceder entrevistas, uma vez que também temos as aulas de redação jornalística, rádio e TV que também necessitam desses fatores.

E o tempo anda, ou melhor, corre e não nos espera. Está a todo o momento nos desafiando e vendo quais os nossos limites físicos e psicológicos. Por vezes, é cruel e insano. Por outras, é doce e companheiro por nos permitir vivenciar uma adrenalina, um auto teste emocional que jamais teríamos feito de não fosse o quinto período de Jornalismo.

Sei que na mente de alguns colegas a ideia de abandonar o Jornalismo é forte e presente, porém, ainda não desistiram porque amam a profissão que escolheram pela falta de incentivo e decepção, às vezes. Nunca me passou pela cabeça largar a faculdade, mas confesso que também nunca em minha vida desejei as férias. Doces férias. Agora, eu entendo porque minha mãe ao fim do ano está com uma aparência assustadora de desânimo, pois está entediada e precisa aliviar as tensões.

Hoje, eu me sinto assim e não vejo a hora de que chegue quinta-feira, 30 de junho, para que eu possa chegar em casa e dizer a mim mesma no espelho do banheiro com cara de sono: venci mais uma etapa.

 

OPINIÃO: o primeiro semestre segundo Claudiane Berres

Os acadêmicos dos semestres seguintes ao meu, e todos os professores falavam que o quinto semestre ia ser puxado, mas eu, e acredito que meus colegas também não poderiam imaginar o quanto seria estressante. Produzir 24h e sempre no desespero. Noites mal dormidas, outras em claro, tudo para conseguir entregar as tarefas no prazo, ou tentar ao menos. Mas entendo que cada trabalho é importante, e que cada professor entende a realidade dos seus alunos.

Muitas responsabilidades, não são apenas “trabalhinhos”, tudo que produzimos afeta a comunidade, tudo tem que ser desempenhado de maneira consciente, não é apenas a nota, é a realização, é gostar do que fez e esperar que alguém reconheça o esforço.

Mas parece que o esforço não é reconhecido, alguns professores nos fazem sentir orgulho dos trabalhos realizados, mesmo que eles não tenham ficado uma maravilha. Outros conseguem derrubar o restinho de auto-estima que ainda nos resta.

Sempre procurei me esforçar ao máximo, não só na faculdade, mas em todas as atividades que me proponho a fazer. Na minha casa, sempre precisei fazer por merecer, e não é diferente com a faculdade, pois são os  meus pais que financiam.

Repito, não são as notas, mais a auto-avaliação de cada acadêmico. Como diz um professor “sete é zero”, concordo plenamente. Viajar, passar frio e não conseguir pelo menos um oito é vergonhoso.

Neste semestre percebi como é difícil organizar tempo, tarefas da faculdade e do trabalho. A vida social e o convívio familiar não existem. Passei quase todos os finais de semana trancada no quarto, lendo, escrevendo, ou pior, alguns passei fora de casa trabalhando.

Em alguns momentos o sentimento que predomina é o fracasso. A vontade é de desistir da faculdade, falta motivação. E várias vezes os colegas e familiares impediram que eu tomasse uma decisão precipitada.

E a tendência é piorar sempre. O emocional abalado, toda à hora lembrando que precisa fazer algo. Escrever um texto pensando em outros trabalhos, e o desespero tomando conta. E quando você pensa que terá um sossego, adivinha? Mais trabalhos. Nunca desejei tanto as férias.