Na prática: Alunos de Jornalismo desenvolvem no trabalho conteúdo aprendido em sala de aula

Os alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv) aproveitam as aulas para aprender técnicas de entrevista, formulação de pautas, desenvolvimento de textos, construção de reportagens, entre outros conteúdos. É em sala de aula que eles têm a oportunidade de debater, tirar dúvidas e compreender uma variedade de assuntos.

Mas, a prática também é importante. Quem consegue um estágio logo nos primeiros anos de curso pode começar o emprego um pouco receoso. Porém, com o tempo, o jovem vai se encaixando e conhecendo melhor as atividades que exerce. Na maioria das vezes, os futuros jornalistas estagiam nos meios de comunicação da região (portais de notícias, jornais impressos, rádios e TVs). Outros, atuam na própria Uniuv.

Esse é o caso da aluna Eduarda Benvenutti. A jovem está no quarto semestre do curso e conseguiu um estágio no Conselho Editorial da instituição. Lá, ela faz a diagramação de livros de autores da região, periódicos, revistas e jornais-laboratório produzidos pelos alunos de Jornalismo. “Eu fiquei bem nervosa quando iniciei o estágio. Com o tempo, fui colocando o aprendizado das aulas no trabalho. As noções básicas do jornalismo, por exemplo, me ajudaram bastante”, explica.

Além das aulas, Eduarda buscou tutorais na internet sobre diagramação para aperfeiçoar o seu conhecimento. “Gosto bastante dessa área gráfica. Na revista, por exemplo, dá para brincar mais com a criatividade”, conta.

Em alguns casos, os alunos já conseguem emprego no primeiro ano do curso, ou até mesmo antes de iniciá-lo. Esse foi o caso da jovem Cláudia Burdzinski. Ela conquistou uma vaga no jornal Gazeta Informativa, de São Mateus do Sul, meses antes de iniciar a faculdade.

Como não tinha o conhecimento necessário, no início Cláudia sentiu mais dificuldade. “Comecei não tendo nenhuma noção do que era jornalismo. Mas o trabalho me instigou a optar pelo curso. Quando eu fiz uma visita à faculdade, fiquei encantada com os laboratórios de rádio/ TV e com o pessoal comunicativo. Pensei: é isso que eu quero”, explica.

 

 

 

O trabalho e a faculdade fizeram Cláudia perder a timidez. Ela adora ouvir as histórias e curiosidades da vida de seus entrevistados. No jornal, faz um pouco de tudo: procura pautas, sai às ruas, faz entrevistas, fotografa e depois retorna para a redação para a construção dos textos. O jornal é semanal, mas diariamente a jovem publica conteúdos no site e Instagram do veículo. “É uma forma de interagir mais, de saber qual é a opinião do público”.

Quando possui alguma dúvida no trabalho, Cláudia já leva para a sala de aula. A jovem procura trabalhar bem a relação estudo-trabalho. “O que eu aprendo hoje em sala de aula, já aplico amanhã no trabalho. Eu fixo bem as coisas que aprendo”, conclui Cláudia.

Essas e outras histórias mostram como o estágio proporciona inúmeras experiências aos alunos de Jornalismo. Experiências que trabalham com a desenvoltura na hora de se comunicar e com a capacidade de compreender os entrevistados e os temas trabalhados nas pautas.

 

 

Reta final: alunos de Jornalismo se dedicam no Trabalho de Conclusão de Curso

O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é temido por muitos alunos. Quando a ansiedade e a preocupação aparecem, a construção do material tende a ser afetada. Por isso, a tranquilidade e o foco no tema escolhido devem se sobressair durante esse período.

Alunos do oitavo semestre de Jornalismo.

Os alunos do oitavo semestre de Jornalismo do Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv) tentam seguir essa linha. Os futuros jornalistas sabem que o trabalho desenvolvido precisa ter consistência, relevância, boas entrevistas e um texto bem construído, independente de qual meio vão utilizar (rádio, TV, jornal impresso).

A jovem Regiane Stachera, por exemplo, decidiu fazer um TCC multimídia. Ou seja, trabalhar com o conteúdo produzido na internet. A estudante escolheu como tema a ferrovia. As reportagens vão resgatar memórias de pessoas que tiveram experiências marcantes envolvendo o tema. Regiane também vai mostrar quais locais da região do Contestado foram preservados e quais estão abandonados.

Regiane escolheu como tema a ferrovia (foto: Facebook).

Em breve, o site com o TCC de Regiane estará no ar trazendo todo o conteúdo desenvolvido. Quando faz uma retrospectiva dos anos anteriores, a jovem sente uma sensação de dever cumprido e vê o quanto aprendeu com as aulas. “A complexidade em entender que jornalismo é mais que fazer perguntas é algo que vale a pena. Informar e se aproximar das pessoas é uma grande responsabilidade que exige mais do que técnica. Estou aprendendo o quanto essa profissão pode ser desafiadora, gratificante e bonita”.

 

Assim como Regiane, Paula Partyka também trabalha a todo vapor em seu TCC. O tema escolhido é “Hábitos de consumo consciente da geração milênio”. A ideia inicial de Paula era a de produzir um TCC sobre a reformulação do jornal impresso. Porém, com a falta de material disponível em português, a jovem trocou de tema.

Paula trabalha no tema “Hábitos de consumo consciente da geração milênio” (foto: Facebook).

Paula vai criar um site, mesclando o conteúdo com texto, vídeo e áudio. A jovem não viu dificuldade na coleta de informações sobre o tema. “A fundamentação teórica já está concluída. Pesquisei livros e teóricos que falam sobre o assunto. Agora, eu preciso realizar as entrevistas, produzir o site e apresentar o conteúdo”, explica.

O aluno Juliano Bertoldi faz parte da turma de Paula e Regiane. O jovem trabalha no tema “Representatividade LGBTI”. Ele quer trazer o assunto para discussão e debate e, por isso, disponibilizará o material produzido para o Youtube. “Nós precisamos levantar a bandeira para assuntos como esse. O momento em que a gente vive é bem complicado. Há muito retrocesso. Por isso, a importância de entender e discutir o tema”, explica.

Juliano escolheu o tema “Representatividade LGBTI” (foto: Facebook).

Os TCCs vêm com criatividade. Os alunos colocam a sua personalidade na forma de desenvolver o conteúdo e mostram que o jornalismo pode fazer a diferença em meios distintos, porém interligados. A apresentação dos trabalhos está prevista para acontecer entre a última semana de novembro e a primeira semana de dezembro.

 

Quarto ano de Jornalismo e as perspectivas sobre o curso

Se para os alunos do primeiro ano de Jornalismo as aulas já trazem um certo fascínio pela profissão, imagina para quem está prestes a se formar. A turma do sétimo semestre nunca viu o jornalismo tão presente em suas vidas quanto nos últimos meses. Isso porque além do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), os alunos realizaram trabalhos, organizaram palestras e administraram o “Blog de Comunicação” (espaço com notícias relacionadas aos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda do Centro Universitário da Cidade de União da Vitória (Uniuv).

Descanso mesmo eles só vão ter quando entregarem o TCC. Até lá, são inúmeras entrevistas, pesquisas e leituras envolvendo o tema escolhido. Mas os jovens sabem que todo esse trabalho é necessário e será utilizado após a conclusão do curso. O mercado de trabalho está cada vez mais competitivo e, por isso, se destaca quem se engaja e apresenta domínio nos vários meios que o jornalismo oferece para atuação.

O aluno Juliano Bertoldi, por exemplo, é apaixonado pela televisão. Desde a infância, o jovem se comunicava bem com as pessoas e demonstrava interesse pela área. Ele teve uma experiência na rádio da cidade em que residia (Monte Castelo – SC). Na emissora, se destacou apresentando um programa. “A paixão pela comunicação foi crescendo cada vez mais. Naquela época, eu pensei: preciso saber o básico e adquirir mais conhecimento”. Foi aí que Juliano se matriculou na Uniuv.

No início do curso, o jovem sentiu algumas dificuldades e achou que não iria entender o conteúdo repassado pelos professores. Ledo engano. Hoje, Juliano deve o seu conhecimento às aulas, aos professores e aos colegas de classe. “Eu noto um crescimento gigantesco no meu aprendizado. É somente na faculdade que a gente consegue adquirir toda essa bagagem”.

Atualmente, Juliano se dedica ao seu TCC, que tem como tema a “Representatividade LGBTI”. Juliano quis trazer o assunto para discussão e debate e, por isso, disponibilizará o material produzido para o Youtube. “Nós precisamos levantar a bandeira para assuntos como esse. O momento em que a gente vive é bem complicado. Há muito retrocesso. Por isso, a importância de entender e discutir o tema”.

Após a formatura, cada aluno segue o seu rumo, na área que mais gosta e com o que mais se identifica. Mas algo é certeiro: os quatro anos de curso, o companheirismo dos colegas e professores, o conteúdo das disciplinas e os prós e contras da vida universitária ficarão marcados em suas vidas.

Jornalismo: escolha foi certeira na vida dos calouros

Alunos do primeiro ano de Jornalismo contam como o curso está presente em suas vidas

Conhecer pessoas, dialogar, compreender situações do dia a dia e contar histórias. Essa sequência faz parte da rotina de um jornalista e também dos alunos do curso de Jornalismo. Os jovens que ingressaram no Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv) neste ano já vivenciam e sentem o jornalismo. Eles analisam os acontecimentos de forma crítica, buscam entender e se aprofundar sobre os conteúdos.

Poder registrar narrativas que abordam inúmeros temas encanta os alunos. O jornalismo proporciona a eles uma aprendizagem constante. Cada dia uma nova história, novas pessoas. De uma conversa, surgem questionamentos importantes para a construção da reportagem. Afinal, nenhum ponto pode ficar vago ou mal interpretado. Os alunos sabem disso e prezam pela apuração mais completa. Buscam fontes seguras que trazem autoridade sobre o assunto abordado. A aluna Cláudia Burdzinski, de São Mateus do Sul (PR), sente que o interesse pelo curso aumenta a cada dia.

O primeiro contato da jovem com o jornalismo foi em um periódico de seu antigo colégio. Ela teve a iniciativa de participar na construção do jornal, se envolveu com a movimentação que o trabalho exigia e viu que ali existia algo de especial. A partir daí, Cláudia não parou mais. Ela integrou a equipe da Pastoral de Comunicação da Diocese de União da Vitória e produziu matérias com conteúdos envolvendo a sua paróquia.

Meses depois, Cláudia conheceu um jornal impresso de sua cidade, gostou da forma com que a equipe produzia as matérias e resolveu mandar um currículo. Não demorou para que ela recebesse a notícia de que faria parte do quadro de funcionários do jornal. Atualmente, a jovem reporta diversos conteúdos de São Mateus do Sul e região dentro do Gazeta Informativa (jornal em que atua). O que ela mais gosta? Produzir matérias que narram a cultura de outros povos e que aguçam a curiosidade do leitor.  “Eu gosto bastante do jornal impresso. Tenho uma relação muito afetiva pela matéria no papel e como tudo fica organizado na hora da diagramação”, explica.

Nas aulas, Cláudia compreende as disciplinas envolvendo o seu trabalho e a sua realidade. Cada dia o interesse pela área é maior. “Quando cursamos o que gostamos, as aulas não se tornam chatas. Eu gosto dos professores, das aulas e dos temas repassados. Fico cada vez mais encantada pelo jornalismo”.

O colega de Cláudia, Alex Zipperer, também tem a mesma sensação. O jovem  cursava História. Como não concluiu, quis escolher um curso em que pudesse utilizar o conhecimento já adquirido.  Foi aí que o jornalismo entrou de vez na vida de Alex. O interesse pelo curso veio junto com o apoio da família, o que motivou ainda mais a escolha. “Até agora, o curso está além das minhas expectativas. A experiência é completamente diferente e mais positiva em relação ao curso anterior. As aulas são bem interessantes, apresentam dinâmicas diferenciadas e professores carismáticos e inteligentes”.

 

Alex tem um interesse maior pelo rádio e pela televisão. Ele possui amigos que já trabalham nesta área e gosta da forma com que a informação chega às pessoas. Para ele, o aluno de Jornalismo é uma pessoa curiosa, que gosta de se aprofundar sobre cada objeto de estudo ou trabalho.

Para quem pensa em cursar Jornalismo, Alex repassa algumas dicas importantes:

Outro calouro que tinha como meta cursar Jornalismo é André Piskorz. Ele reside em Rebouças (PR), que fica a aproximadamente 106 km de União da Vitória. O interesse pelo jornalismo começou na infância, mas somente neste ano é que André concretizou o sonho de se matricular no curso de Jornalismo.

Entenda

André já conhece bem a Uniuv. Ele se formou em uma das turmas do curso de Administração da instituição. Como a família do jovem possui uma empresa, ele viu a necessidade de optar pela área e colocar o conhecimento em prática no empreendimento.

Apesar de a primeira formação ser proveitosa na vida profissional de André, o sonho pelo jornalismo permaneceu. Tanto que ele não pensou duas vezes em voltar à vida universitária para se tornar calouro em Jornalismo. “Na época da minha primeira graduação, me deparava com acadêmicos do curso de Jornalismo realizando entrevistas e as atividades inerentes ao curso. Automaticamente, me imaginava realizando tudo isso um dia”.

Hoje, André já sente na prática o que é escolher pautas, buscar fontes, realizar entrevistas e construir reportagens. O jovem sabe que a profissão oferece um leque de opções. Ele garante que está aberto a qualquer oportunidade, porém, tem um interesse maior pelo rádio e jornal impresso. “O meu pai foi assinante do jornal Gazeta do Povo por muito tempo. Em minha infância, lembro que aguardava o exemplar chegar para ler as notícias, principalmente as relacionadas ao esporte. Depois, repassava as informações ao meus familiares”, relembra.

No vídeo a seguir, André comenta a personalidade e as características do aluno do curso de Jornalismo:

Apesar de estarem no primeiro ano do curso, os jovens demonstram que o jornalismo traz diversas opções de trabalho, conhecimento e diálogo. Seja na TV, no rádio, no jornal impresso ou em um portal de notícias, o que movimenta a rotina dos jovens é a vontade de desvendar conteúdos e propagá-los às pessoas de forma concisa, instigante e utilitária.