Quarto ano de Jornalismo e as perspectivas sobre o curso

Se para os alunos do primeiro ano de Jornalismo as aulas já trazem um certo fascínio pela profissão, imagina para quem está prestes a se formar. A turma do sétimo semestre nunca viu o jornalismo tão presente em suas vidas quanto nos últimos meses. Isso porque além do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), os alunos realizaram trabalhos, organizaram palestras e administraram o “Blog de Comunicação” (espaço com notícias relacionadas aos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda do Centro Universitário da Cidade de União da Vitória (Uniuv).

Descanso mesmo eles só vão ter quando entregarem o TCC. Até lá, são inúmeras entrevistas, pesquisas e leituras envolvendo o tema escolhido. Mas os jovens sabem que todo esse trabalho é necessário e será utilizado após a conclusão do curso. O mercado de trabalho está cada vez mais competitivo e, por isso, se destaca quem se engaja e apresenta domínio nos vários meios que o jornalismo oferece para atuação.

O aluno Juliano Bertoldi, por exemplo, é apaixonado pela televisão. Desde a infância, o jovem se comunicava bem com as pessoas e demonstrava interesse pela área. Ele teve uma experiência na rádio da cidade em que residia (Monte Castelo – SC). Na emissora, se destacou apresentando um programa. “A paixão pela comunicação foi crescendo cada vez mais. Naquela época, eu pensei: preciso saber o básico e adquirir mais conhecimento”. Foi aí que Juliano se matriculou na Uniuv.

No início do curso, o jovem sentiu algumas dificuldades e achou que não iria entender o conteúdo repassado pelos professores. Ledo engano. Hoje, Juliano deve o seu conhecimento às aulas, aos professores e aos colegas de classe. “Eu noto um crescimento gigantesco no meu aprendizado. É somente na faculdade que a gente consegue adquirir toda essa bagagem”.

Atualmente, Juliano se dedica ao seu TCC, que tem como tema a “Representatividade LGBTI”. Juliano quis trazer o assunto para discussão e debate e, por isso, disponibilizará o material produzido para o Youtube. “Nós precisamos levantar a bandeira para assuntos como esse. O momento em que a gente vive é bem complicado. Há muito retrocesso. Por isso, a importância de entender e discutir o tema”.

Após a formatura, cada aluno segue o seu rumo, na área que mais gosta e com o que mais se identifica. Mas algo é certeiro: os quatro anos de curso, o companheirismo dos colegas e professores, o conteúdo das disciplinas e os prós e contras da vida universitária ficarão marcados em suas vidas.

Jornalismo: escolha foi certeira na vida dos calouros

Alunos do primeiro ano de Jornalismo contam como o curso está presente em suas vidas

Conhecer pessoas, dialogar, compreender situações do dia a dia e contar histórias. Essa sequência faz parte da rotina de um jornalista e também dos alunos do curso de Jornalismo. Os jovens que ingressaram no Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv) neste ano já vivenciam e sentem o jornalismo. Eles analisam os acontecimentos de forma crítica, buscam entender e se aprofundar sobre os conteúdos.

Poder registrar narrativas que abordam inúmeros temas encanta os alunos. O jornalismo proporciona a eles uma aprendizagem constante. Cada dia uma nova história, novas pessoas. De uma conversa, surgem questionamentos importantes para a construção da reportagem. Afinal, nenhum ponto pode ficar vago ou mal interpretado. Os alunos sabem disso e prezam pela apuração mais completa. Buscam fontes seguras que trazem autoridade sobre o assunto abordado. A aluna Cláudia Burdzinski, de São Mateus do Sul (PR), sente que o interesse pelo curso aumenta a cada dia.

O primeiro contato da jovem com o jornalismo foi em um periódico de seu antigo colégio. Ela teve a iniciativa de participar na construção do jornal, se envolveu com a movimentação que o trabalho exigia e viu que ali existia algo de especial. A partir daí, Cláudia não parou mais. Ela integrou a equipe da Pastoral de Comunicação da Diocese de União da Vitória e produziu matérias com conteúdos envolvendo a sua paróquia.

Meses depois, Cláudia conheceu um jornal impresso de sua cidade, gostou da forma com que a equipe produzia as matérias e resolveu mandar um currículo. Não demorou para que ela recebesse a notícia de que faria parte do quadro de funcionários do jornal. Atualmente, a jovem reporta diversos conteúdos de São Mateus do Sul e região dentro do Gazeta Informativa (jornal em que atua). O que ela mais gosta? Produzir matérias que narram a cultura de outros povos e que aguçam a curiosidade do leitor.  “Eu gosto bastante do jornal impresso. Tenho uma relação muito afetiva pela matéria no papel e como tudo fica organizado na hora da diagramação”, explica.

Nas aulas, Cláudia compreende as disciplinas envolvendo o seu trabalho e a sua realidade. Cada dia o interesse pela área é maior. “Quando cursamos o que gostamos, as aulas não se tornam chatas. Eu gosto dos professores, das aulas e dos temas repassados. Fico cada vez mais encantada pelo jornalismo”.

O colega de Cláudia, Alex Zipperer, também tem a mesma sensação. O jovem  cursava História. Como não concluiu, quis escolher um curso em que pudesse utilizar o conhecimento já adquirido.  Foi aí que o jornalismo entrou de vez na vida de Alex. O interesse pelo curso veio junto com o apoio da família, o que motivou ainda mais a escolha. “Até agora, o curso está além das minhas expectativas. A experiência é completamente diferente e mais positiva em relação ao curso anterior. As aulas são bem interessantes, apresentam dinâmicas diferenciadas e professores carismáticos e inteligentes”.

 

Alex tem um interesse maior pelo rádio e pela televisão. Ele possui amigos que já trabalham nesta área e gosta da forma com que a informação chega às pessoas. Para ele, o aluno de Jornalismo é uma pessoa curiosa, que gosta de se aprofundar sobre cada objeto de estudo ou trabalho.

Para quem pensa em cursar Jornalismo, Alex repassa algumas dicas importantes:

Outro calouro que tinha como meta cursar Jornalismo é André Piskorz. Ele reside em Rebouças (PR), que fica a aproximadamente 106 km de União da Vitória. O interesse pelo jornalismo começou na infância, mas somente neste ano é que André concretizou o sonho de se matricular no curso de Jornalismo.

Entenda

André já conhece bem a Uniuv. Ele se formou em uma das turmas do curso de Administração da instituição. Como a família do jovem possui uma empresa, ele viu a necessidade de optar pela área e colocar o conhecimento em prática no empreendimento.

Apesar de a primeira formação ser proveitosa na vida profissional de André, o sonho pelo jornalismo permaneceu. Tanto que ele não pensou duas vezes em voltar à vida universitária para se tornar calouro em Jornalismo. “Na época da minha primeira graduação, me deparava com acadêmicos do curso de Jornalismo realizando entrevistas e as atividades inerentes ao curso. Automaticamente, me imaginava realizando tudo isso um dia”.

Hoje, André já sente na prática o que é escolher pautas, buscar fontes, realizar entrevistas e construir reportagens. O jovem sabe que a profissão oferece um leque de opções. Ele garante que está aberto a qualquer oportunidade, porém, tem um interesse maior pelo rádio e jornal impresso. “O meu pai foi assinante do jornal Gazeta do Povo por muito tempo. Em minha infância, lembro que aguardava o exemplar chegar para ler as notícias, principalmente as relacionadas ao esporte. Depois, repassava as informações ao meus familiares”, relembra.

No vídeo a seguir, André comenta a personalidade e as características do aluno do curso de Jornalismo:

Apesar de estarem no primeiro ano do curso, os jovens demonstram que o jornalismo traz diversas opções de trabalho, conhecimento e diálogo. Seja na TV, no rádio, no jornal impresso ou em um portal de notícias, o que movimenta a rotina dos jovens é a vontade de desvendar conteúdos e propagá-los às pessoas de forma concisa, instigante e utilitária.