Egressos de Comunicação Social contam sobre suas carreiras

Repórter: Regiane Antonina Stachera

Quando começamos a pensar em qual profissão seguir, nos vemos com muitas ideias e, muitas vezes, ficamos confusos. Temos que tomar um caminho e acreditar que somos capazes de realizar nossos objetivos. Para quem está começando os cursos de Jornalismo ou Publicidade e Propaganda muitas questões devem vir na cabeça, mas qualquer dificuldade que aparecer no caminho deve motivar ainda mais para que seja possível obter a realização profissional. As responsabilidades tornam-se maiores ao longo da vida, abrindo as portas para que as oportunidades apareçam. Não basta somente sonhar, mas sim correr atrás. Foi o que aconteceu com os egressos do Centro Universitário da Cidade de União da Vitória (Uniuv),  Murilo Souza, repórter da TV RBS, no centro oeste, e Eduardo Ferreira Tavares, publicitário na agência Girafa Comunicação Interativa, em Porto União (SC).

Souza contou que a decisão para seguir a carreira no jorn
alismo surgiu na escola. “Como eu gostava bastante de ler e das aulas de redação, uma professora falou que Jornalismo poderia ser uma opção. Foi a partir daí que comecei a me interessar e pesquisar sobre a profissão, gostei e decidi que era isso que queria.” Ele teve sua primeira experiência com o jornalismo na rádio comunitária de Porto União, no segundo ano da faculdade. Souza conta que a maior dificuldade era a falta de experiência, mas que tinha que começar de algum jeito. “Além das aulas na faculdade é só mesmo na prática do dia a dia para conhecer como as coisas funcionam e aprender.  Mesmo com a falta de estrutura no rádio, pude aprender muita coisa e sou grato por essa oportunidade que tive”, afirma.

Foi ao longo do curso de Jornalismo que Souza descobriu sua paixão pela TV. Há seis anos atuando como repórter e apresentador, ele contou sobre um fato marcante em sua vida, que foi fazer a cobertura da tragédia com o voo da Chapecoense. “Estive lá do início ao fim, perdi colegas e amigos, a cidade, acho que o mundo, estava em choque e foi um desafio gigantesco seguir trabalhando em meio a tanta tristeza. Cresci muito com essa cobertura e também tive grandes oportunidades de mostrar meu trabalho em rede nacional”, relembra.

Entre os desafios das coberturas jornalísticas emocionantes, Souza lembrou de um fato engraçado, quando cobriu a fuga de um elefante em um zoológico. “A situação era muito inusitada, era em uma cidade bem pequena que parou assustada com o elefante caminhando pelas ruas. Nunca imaginei que faria algo assim.”

Já Tavares trabalha desde 2013 no setor da criação e planejamento estratégico e também teve certeza da sua profissão enquanto cursava publicidade. “Antes de realizar o vestibular estava com muitas dúvidas, e depois de desistir de prestar vestibular para Veterinária, decidi cursar Publicidade e Propaganda por achar que teriam assuntos que mais me chamariam atenção. Eu comecei a trabalhar muito de repente na área, um amigo meu postou no Facebook que a agência em que ele trabalhava precisava de um estagiário para criação, foi aí que resolvi me arriscar. Graças a Deus deu muito certo.” Tavares disse que não teve dificuldades em se adaptar na agência, pois a equipe foi muito acolhedora, mas, como todo o início, requer paciência. Ele disse que um dos poucos obstáculos foi aprender a trabalhar com os programas de criação, pois não tinha conhecimento, algo que foi driblado com a força de vontade para aprender.

 

Inspire-se!

Para quem está iniciando na carreira do Jornalismo, o comprometimento com a informação correta é imprescindível, segundo Souza. “Permanecer sempre curioso, inquieto, com vontade de descobrir as coisas para cumprir essa nossa missão de informar pra transformar o dia a dia, a realidade das pessoas. Ouvir sempre todos os lados da história, checar e checar os fatos. Lembrar que a ética deve prevalecer acima de qualquer coisa. E nunca esquecer de manter os pés no chão, a humildade, lembrar sempre que todo dia a gente aprende alguma coisa, por mais que você já esteja há no mercado sempre vai aprender”, diz.

Tavares também deixou as suas dicas. “Muitos não aproveitam as oportunidades que recebem ou não se interessam por acharem que moramos em cidades pequenas e não existe campo para comunicação, o que não é verdade. Se atualizem com as mudanças constantes e corra atrás. Claro que o lado financeiro é importante para todas as pessoas, mas no começo temos que manter os pés no chão e com o tempo ir conquistando seu espaço. Com certeza se você for determinado o reconhecimento vem, e você só vai querer cada vez mais.”

O aprendizado não pode parar. “Dentro da Girafa me sinto realizado por tudo que aprendi e aprendo todo dia lá dentro, e assim crescemos juntos. Mas a comunicação passa por mudanças todos os dias praticamente, ainda mais agora com a “era digital”, isso aguça cada vez mais nossa vontade de conhecer e aprender as novidades”, disse Tavares.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *