Mais uma vez: unidas pela Comunicação

Repórter: Fernanda Santos – acadêmica do 6º semestre de Jornalismo

As irmãs Fernanda e Rafaella Maier, além de laços afetivos, seguiram os mesmos caminhos e hoje trabalham juntas

Na terça-feira,8 de novembro, o segundo e quarto semestres de Jornalismo e Publicidade e Propaganda, receberam a visita de Fernanda e Rafaella Maier para falar sobre os meios de comunicação que atuam e contar quais as suas experiências. O convite para a palestra surgiu do aluno Osmari José Lopes, que cursa a disciplina de Teoria da Comunicação, ministrada pela professora Angela Farah. “Como deveríamos trazer pessoas ligadas a Comunicação Social, sugeri a presença de Rafaella e Fernanda porque eu já as conhecia”, disse Lopes, afirmando que as iratienses aceitaram o convite com muito entusiasmo e ficaram muito felizes, pois é a primeira vez que o curso recebe representantes de Irati.

Formação em Comunicação gera vínculo entre as irmãs

Rafaella Maier formou-se em Jornalismo pela Faculdade Santa Amélia, em Ponta Grossa. “Faria Publicidade e Propaganda. Por não ter opções, fiz Jornalismo e vi que era a área certa. Tenho certeza absoluta que fiz a escolha mais sensata”, diz Rafaella.  Antes mesmo de se formar, a estudante de Jornalismo já trabalhava em um jornal local como recepcionista e depois assumiu o papel de jornalista responsável. Nesse emprego, Rafaella permaneceu por oito anos. Em 2011, integrou na agência de Publicidade com sua irmã, Fernanda.

Formada em Publicidade e Propaganda em 2009, pelo Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv), Fernanda Maier começou a trabalhar quando iniciou a faculdade. A publicitária principiou na Prefeitura Municipal de Irati, local em que permanece atualmente pela Casa da Cultura. Em julho de 2010, resolveu abrir sua agência de Publicidade. “Recebi a proposta de iniciar o projeto com parcerias, mas decidi que faria isso sozinha”, contou Fernanda, que em fevereiro de 2011, recebeu Rafaella como companheira para que juntas formassem a Prax Publicidade e tomassem frente da Revista Visual.

Profissionais formados são minoria em cidades do interior

Rafaella e Fernanda promoveram um grande bate-papo com a turma para expor suas experiências de trabalho. Rafaella contou que durante sua passagem pelo jornal impresso, sempre teve trabalhos paralelos ligados a revistas e outros jornais locais, na condição de free lance. Falando da revista, meio em que promoveu várias perguntas dos acadêmicos, Rafaella explicou que como é mensal, há mais tempo para a preparação do material que será publicado. “Porém, junto a matérias, temos que cuidar do setor de finanças e vendas, por exemplo, campos em que no jornal havia divisões de atividades”, informa a jornalista.

Para o jornal, Rafaella comenta que escrevia matérias de assuntos gerais. Mas, para a revista, o sistema de informações é diferenciado. “O público é distinto e o material jornalístico é preparado de forma mais social, com menos textos e mais fotos”. Para ela, está aí um dos grandes diferenciais entre uma revista e o jornal.

“Para publicitários, o mercado é difícil”, inicia Fernanda. Em Irati, ela é a única publicitária com diploma que trabalha na área. “Acredito que o maior problema para as pessoas é entender para quê serve a Publicidade e Propaganda, até pela presença de muitos amadores”.  Fernanda salienta que por muito tempo pensou que não havia tanta necessidade de se obter um diploma na área, mas com o tempo observou que foi fundamental para a sua formação profissional. “Hoje, exerço o que aprendi e ainda tenho minhas dificuldades”, esclarece.

Irmãs não se arrependem do que escolheram e são apaixonadas pelo que fazem

Fernanda narra que durante a faculdade aprendeu a gostar da Publicidade, mas durante um tempo deixou esse gosto de lado. “Então, quando me formei, pensei em fazer outro curso porque realmente perdi um pouco da vontade de trabalhar na área”. Porém, Fernanda relembrou dos quatro anos em que enfrentava as estradas para vir de ‘van’ à faculdade e dos sacrifícios com essas viagens diárias. “Percebi que precisava trabalhar com a Publicidade e entendi que nada foi em vão”, relata a apaixonada pela Publicidade, Fernanda.

Rafaella observa que ser jornalista não é uma profissão fácil porque exige tato, sensibilidade e imparcialidade, independente das circunstâncias. “Jornalismo é muito mais do que escrever textos e colocar verbos nos momentos certos: é escrever da forma com que todas as pessoas entendam”. Para ela, o papel do jornalista é ser ávido, correr atrás das notícias mesmo com todas as dificuldades que surgirem no caminho.  Sobre o diploma, a jornalista descreve que infelizmente a profissão não é valorizada a começar por essa questão. “Mas para os bons, a queda do diploma não faz diferença porque sempre haverá trabalho para gente que realmente gosta do que faz e se dedica. E eu amo o que faço”, finaliza Rafaella.

 

One thought on “Mais uma vez: unidas pela Comunicação

  1. Fernanda adorei a sua matéria. As duas pessoas ao comentar sobre os seus trabalhos fazem com que a gente que esta estudando não desista do nosso sonho. E escrever sobre sonho você escreveu muito bem com postura de uma jornalista formada, que passou uma informação muito importante. Parabéns sucesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *