Atlética de Comunicação faz bonito na quinta edição do Jogos da Uniuv

Entre os dias 1 e 10 de setembro nas dependências do complexo esportivo do Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv), ocorreu a quinta edição dos Jogos Intercursos

 

O mês de agosto chegou e com ele a quinta edição dos Jogos Intercursos da Uniuv. Neste ano a competição apresentou novidades, além de ter tido uma duração maior – foram oito dias entre o início das eliminatórias e grande final. Houve também a participação dos líderes de torcida e a competição de pebolim nas categorias masculino e feminino.

 

A Atlética de Comunicação Social, pioneira entre os cursos da instituição, este ano teve como auxiliares do mascote “Galo” o quinteto de líderes de torcida, formado por acadêmicos do curso. Katia da Luz, uma das líderes, lembrou que essa novidade animou a torcida em conjunto com o mascote. “É algo diferente para a nossa cidade, foi uma coisa que animou a faculdade”, explica.

 

 

Lideres de torcida e o mascote do curso. Foto: Reprodução Uniuv

 

 

Outra novidade dos jogos, a competição de pebolim,  trouxe o campeonato para a Atlética de Comunicação. No feminino, Emanuela Tracz e Ingridy Svidnicki foram campeãs, já no masculino quem ficou com o troféu de primeiro lugar foi a dupla Patrick Soares Lourenço e Luis Sebben.

 

Emanuela Tracz. Foto : Reprodução Uniuv

 

Gabriela Borges de Souza, hoje egressa da instituição, participou desde a fundação da agremiação, sendo a primeira presidente. Neste ano, ela voltou as arquibancadas do centro esportivo para auxiliar na organização do grupo. “Este ano a diretoria funcionou legal, eles correram atrás, fizeram o que tinha que fazer para que tudo ficasse perfeito durante os jogos”. Gabriela revela que se sentiu orgulhosa por ver como o evento e a participação dos acadêmicos cresceu. “Eles conseguiram dar continuidade e melhoraram muito mais, até em relação ao mascote, que no primeiro ano era apenas a cabeça do galo”. Pelo segundo ano consecutivo a premiação de melhor mascote foi para o “Galo” de comunicação. Porém esse ano o troféu foi dividido com o Urso Polar da Atlética de Odontologia.

 

Evolução do mascote da Atlética de Comunicação Social. Fotos : Reprodução Uniuv

 

No quadro final, além dos troféus na disputa do pebolim e de mascote, a Atlética de Comunicação conquistou o de Melhor Torcida, sendo assim a única bicampeã dos jogos. O primeiro título foi conquistado em 2016.

 

 

Nem tudo se ganha

 

Na competição de Just Dance e futsal feminino os times dos cursos de Comunicação Social não obtiveram êxito, saindo nas fases eliminatórias. Eloisa Winter, acadêmica do segundo ano de Jornalismo, disputou as duas modalidades. Ela lembra que no futsal o time parou já no segundo jogo quando perdeu de 7 a 1 contra administração, mas que a união entre as jogadoras foi grande desde os treinos. “Teve quatro treinos, dois eu não pude participar por causa do (projeto) Rondon, mas todas estavam bem unidas, tanto que quando o jogo acabou, eu, a Dada e a Lu choramos muito pela eliminação”.  Para ela a união das torcidas foi algo que superou as expectativas e surpreendeu a todos. “Foi bonito ver o pessoal unido, torcendo junto”, afirma.

 

Lucio Kurten dos Passos, vice-reitor da instituição e professor dos cursos, afirmou que ao final desta edição, a reitoria junto com o curso de Educação Física já começam a organizar e pensar a edição de 2019, que segundo ele deve abranger novas modalidades e uma maior participação tanto de acadêmicos quanto da comunidade em geral.

 

 

 

 

 

 

 

 

Associação Atlética de Comunicação quer muito mais em 2017

Após ser destaque com a sua torcida, equipe agora quer brilhar nas quadras também

Repórter: Paula Eliandra Partyka
Em 2015, a Associação Atlética de Comunicação Social tornou-se visível dentro do Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv). Entre histórias e momentos de alegria, criou amigos e também alguns inimigos, diga-se de passagem. A união de Publicidade e Propaganda e Jornalismo teve início nos tradicionais Jogos Universitários, realizados em agosto, pela Uniuv, em que o que mais se via eram rostos pintados, times formados e bandeiras para todos os lados, na grande disputa entre as torcidas.

A partir daí, o laço criado entre os cursos de Comunicação só fortaleceu. Por consequência, os jogos de 2016 foram ainda melhores. Apesar de não ter tido uma preparação adequada, os alunos se ajudaram como podiam, fazendo jus ao time “Ticaricatica Show”. A partir da integração nos jogos, a proporção da Atlética cresceu. Hoje, existe a colaboração de alunos de todos os anos, desde os calouros até quem já está no último ano de faculdade. Um dos exemplos dessa integração foi na recepção dos calouros 2017 feita pela Atlética que, segundo a caloura de Publicidade e Propaganda, Luana Lewinski, foi “massa” e bastante acolhedora.

Para os alunos do segundo ano de Publicidade, Jampierre Passos e Letícia dos Santos, a Atlética está mais bem estruturada, visto que seus organizadores iniciaram um novo tipo de liderança. “Diferente do ano passado, onde a responsabilidade ficava toda com a Gabi (Gabriela Borges – ex-presidente), esse ano a estrutura do grupo mudou e as funções foram divididas, cada uma sendo ocupada por alguém que tem perfil para fazê-lo”, afirma Passos.

Além disso, a torcida Ticaricatica Show, que no ano passado levou o troféu de melhor torcida, esse ano está com uma ambição maior: se destacar nos jogos. Segundo a diretoria da Atlética, não houve nenhuma premiação em futsal feminino ou masculino nos últimos anos, mas é esperado um diferencial para esta edição. “Os times estarão preparados, já que este ano haverá compromisso com treinos”, reconhece Letícia.

Ainda segundo os membros da diretoria, os alunos vêm se envolvendo gradativamente com os jogos, eventos e projetos desenvolvidos pela Atlética, uma vez que seus principais objetivos são gerar amizade entre todos os períodos do curso e obter o maior número de participação possível no time Ticaricatica Show.