Mesa Redonda sobre Gênero na Comunicação foi um sucesso

Conservadorismo e questões religiosas são alguns fatores que fazem o tema de gênero e sexualidade não adiantar no Congresso brasileiro. Mais do que uma “modinha”, o assunto é sério e precisa ser discutido. Em qualquer área é bem-vindo conversar sobre, mas, os futuros comunicadores e formadores de opinião, em algum momento da  carreira irão se deparar com o tema, e é o mínimo saber como lidar e escrever coisas erradas.

Não existe um lugar ideal para debater essas questões, mas é válido e precisa ser ressaltado a importância de se discutir essa pauta, em uma instituição de ensino. Por isso, no dia 21 de novembro, aconteceu no Centro Universitário de União da Vitória, a Mesa Redonda com o tema ‘Gênero na Comunicação’. O evento foi planejado pelos acadêmicos do sexto semestre de Jornalismo, com a orientação da professora Angela Farah.

O evento contou com a presença da professora de História da Unespar, Dulceli Tonet Stacheski, o representante do movimento LGBTI – União da Vitória, Felipe Bueno, da professora do curso de Publicidade, Tatiane Banisk, e como a mediadora a professora Angela.

Os assuntos tratados no dia foram sobre a vulgaridade e desprezo que a mulher é e foi tratada na comunicação e também todo o preconceito com pessoas LGBTI. Desinformação é um ponto característico dessas situações que resulta no preconceito e o uso errado de conceitos ligados a esses dois perfis.

Quando o assunto foi a mulher na publicidade foram dados inúmeros exemplos pelos convidados para compor a mesa e os que foram assistir. Um muito lembrado foi a vulgaridade que a mulher é submetida por algumas marcas. Propaganda de cerveja foi uma lembrada. Algumas marcas de cerveja ainda associam o produto “cerveja” com o produto “mulher”.

Algum tempo atrás as pessoas podiam ver que nas marcas da bebida que as mulheres se tornavam o foco principal da propaganda e os homens que bebiam destas cervejas, tinham o poder de conseguir todas elas apenas por beber a “loira gelada”. Isso ajudou  a prejudicar a imagem da mulher. Outro ponto marcante da noite foi o depoimento de duas publicitárias presentes na plateia, contando a dificuldade de se trabalhar em ambientes quase todos machistas. Uma delas relatou que já fez toda uma campanha, mas na hora de vender o produto final, foi preciso passar para dois homens, publicitários, porque passaria mais credibilidade e venderia mais fácil. Elas destacou que isso só reflete o quão a sociedade machista está impregnada em várias situações e lugares.

 

Guilherme Braiam:

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Felipe Bueno, representante do movimento LGBTI, contou como a imprensa se comporta diante dos manifestos feitos nos últimos anos. Ele conta que no primeiro ano, como foi a primeira vez que aconteceria a imprensa local compareceu em peso. Já no segundo evento que aconteceu esse ano, não teve nenhuma empresa de comunicação para cobrir o manifesto. Bueno acredita, que pode ser um descaso com o movimento, mas não perde as esperanças de um dia ter a imprensa local presente.

A Mesa Redonda teve êxito como um primeiro encontro, e já haverá uma próxima edição no ano que vem sobre outros temas importantes que precisam ser debatidos e estão sendo deixado de lado.

Imaginação e criatividade fizeram parte da Mostra do Coltec 2015

O evento tomou conta de toda a estrutura do Coltec e do Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv). Os projetos estavam sendo apresentados no saguão, nas salas de aulas e também nos laboratórios. Continue reading “Imaginação e criatividade fizeram parte da Mostra do Coltec 2015”

‘Série Criativa’ é produzida por acadêmicos de Comunicação Social

Acadêmicos de Comunicação Social produziram um trabalho com o intuito de mostrar a criatividade trabalhada em sala de aula. O projeto chamado de ‘Série Criativa’ foi criado pelo professor Fernando Gohl

Continue reading “‘Série Criativa’ é produzida por acadêmicos de Comunicação Social”

Acadêmicos de Comunicação participam das campanhas de vestibular da Uniuv

Os acadêmicos de Comunicação Social têm participação ativa nas campanhas de vestibular da Uniuv
Continue reading “Acadêmicos de Comunicação participam das campanhas de vestibular da Uniuv”

O desafio do Jornalismo Multimídia foi o tema da Palestra da jornalista Genara Rigotti

“É preciso pensar em como fazer um jornalismo diferente, que seja multiplataforma, ou seja, produzir notícias tanto para o impresso quanto para o digital”.

Continue reading “O desafio do Jornalismo Multimídia foi o tema da Palestra da jornalista Genara Rigotti”

6º semestre de Publicidade e Propaganda inicia novo estágio supervisionado

Trabalho de estágio supervisionado será executado em três meses, os acadêmicos usam todo o conteúdo adquirido nos semestres anteriores, a aprovação do trabalho    é fator decisivo para passagem de ano

Continue reading “6º semestre de Publicidade e Propaganda inicia novo estágio supervisionado”

Futuros jornalistas já estão produzindo mais um Jornal Observatório

Repórter: Bruna Tretto – acadêmica do 6º semestre de Jornalismo Uniuv 

 

Oitava edição do Jornal Observatório será produzida pelos acadêmicos do sexto semestre de Jornalismo

Academicos 6 semestre de jornalismo O primeiro Jornal Observatório produzido pelos acadêmicos do sexto semestre de Jornalismo da Uniuv, neste ano, resgatou um fato ocorrido há 30 anos: a enchente de 1983.  Após o lançamento do jornal, o trabalho dos estudantes continua. Agora eles produzem a oitava edição do jornal, que também será temático. O periódico trará como tema principal a educação em União da Vitória, que será abordada de diferentes ângulos, revelando dados e informações que muitos desconheciam.

Escute abaixo a reportagem completa:

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Rondon é mais que ação: é emoção

            Rondonistas deixam a sua cidade e conhecem o norte do Brasil com outros olhos

 Repórter: Bruna Tretto – acadêmica do 6º semestre de Jornalismo Uniuv

Acadêmicos da Uniuv, participam da Operação Forte do Presépio, do Projeto Rondon.

Apesar das desigualdades sociais, alimentos novos e estranhos – para quem não os conhecia -, sotaque e gírias tão diferentes do sul do País, os participantes da Operação Forte do Presépio, realizada no município de Governador Nunes Freire (MA), do Projeto Rondon, conheceram um povo muito diferente etnicamente e puderam compartilhar as experiências vividas com seus colegas de curso.

Na noite de terça feira, 6, os Rondonistas se emocionaram na sala de eventos do Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv), quando mostraram um vídeo e puderam contar as atividades desenvolvidas em 40 oficinas, nos 18 dias que passaram junto a 25 mil Maranhenses, a cerca de 3.500 quilômetros longe de suas casas. “Sinto saudades do gosto de Governador Nunes Freire, da população, do calor, dos sucos de frutas diferentes, da receptividade deles. Não foi só a gente que fez o bem para eles. Eles também nos ensinaram e nos fizeram crescer como pessoas, como profissionais e nacionalistas. Voltei com uma visão nova do País, das crenças e com um novo pensamento sobre meus planos futuros”, disse a acadêmica do sexto semestre de Jornalismo, Bruna Werle de Oliveira.

A professora de Publicidade e Propaganda, Renata Santana, falou da experiência vivida entre os dias do projeto no norte do País. “Nossa bagagem veio cheia de conhecimento, a gente foi ensinar e acabamos aprendendo muito mais. Não tem como falar em Rondon sem se emocionar”, disse.

Em seu discurso, o reitor da Uniuv, Jairo Vicente Clivatti, agradeceu o empenho e a dedicação de todos os membros do projeto Rondon. “Vocês representaram toda a instituição que irá completar 39 anos. Plantaram o nome da Uniuv lá no norte e orgulharam todos nós”.

O professor e coordenador de Engenharia Civil, Wilson Carlos Eckl, agradeceu a instituição por todo apoio que foi dado a equipe, que pela segunda vez pode levar consigo o nome da instituição e divulgá-la pelas cidades em que passaram. Ele também agradeceu especialmente aos acadêmicos que ministraram as oficinas. “O sucesso desse projeto foi todo deles”.

Durante o evento, realizado na sala de eventos, foi feita a entrega dos certificados aos oito universitários que participaram do projeto, aos dois professores e também realizada a entrega do troféu ao reitor , que fez questão de repassá-lo a vice-diretora acadêmica, Vivian Guimarães, como forma de agradecimento pela dedicação aos projetos Rondon. Foi ela que tomou a iniciativa de inscrever a instituição no projeto, em 2011.

Grupo de Rondonistas 2013

Professor Líder e Coordenador de Engenharia Civil, Wilson Carlos Eckl e Professora de publicidade e propaganda, Renata Santana. E a equipe de acadêmicos da Uniuv, foram; Edimar Grossklaus, Felipe Moretto, Letícia Surmas, Mayara Mugnol, Nicoli Nicoluzzi, Rafael da Silveira, Silvia Letícia Vacelkoski, e Bruna Werle de Oliveira.

 

 

Para conhecer mais como foram os 18 dias que emocionaram os acadêmicos Rondonistas, assista a seguir o vídeo que mostra um pouco dessa experiência vivida por eles.

 

Agexcom: uma vitrine real para os comunicadores da Uniuv

A Agência Experimental de Comunicação da Uniuv existe desde 2001 e hoje já faz trabalhos para clientes externos a Instituição

Repórter: Bruna Kobus – acadêmica do 5º semestre de Jornalismo

agexcom
Agexcom (Foto: Reprodução)

Este ano, a Agência Experimental de Comunicação (Agexcom) da Uniuv começou com novos alunos, novas ideias e novos orientadores. A Agência já existe desde 2001, quando o curso de Relações Públicas ainda era oferecido na Instituição. Ela ficou parada por algum tempo e, em 2005, voltou a funcionar então com acadêmicos dos cursos de Jornalismo e Publicidade.

A Agexcom tem a função de apresentar um pouco da realidade de como é o mercado de trabalho, a realidade da profissão e também para que os alunos coloquem em prática o que aprendem em sala de aula. “É como se fosse uma vitrine. A maioria dos alunos que passou pela Agex foram empregados antes de se graduarem”, disse o coordenado do Curso de Jornalismo, Lúcio Passos. E como se trata de uma Agência Experimental o trabalho não é remunerado, mas vale na construção de portfólio e também networking profissional.

História

Em 2001, os alunos de Relação Públicas (RP) deram o ponta pé inicial com as produções da Agexcom. Mas ainda era um trabalho sem compromisso. Já em 2002, a Agência começou a funcionar regularmente com alunos de Jornalismo, Publicidade e também RP. Após um ano de funcionamento as portas da Agexcom foram fechadas por quase três anos e, em 2005, novos alunos começaram as produções. De lá para cá já se passaram oito anos e muitos alunos já passaram pela Agex. Cada um em sua área. Os acadêmicos de Jornalismo cobrem matérias institucionais e os de Publicidade criam campanhas para os vestibulares da Uniuv. Alguns trabalhos fora da Instituição também já foram realizados. Um exemplo é o Centenário do Colégio Serapião. “Lá dentro a gente trabalha com campanhas e, muitas vezes, para clientes externos. Isso também depende muito da demanda que nós temos. A gente procura controlar um pouco essa entrada de campanhas em função do próprio tempo de aprendizado e de execução dos trabalhos”, disse o professor supervisor da Agexcom Robson Fogaça.

propostaa

Cara nova

No início de 2013, o professor Robson divulgou os requisitos para a pré-seleção dos novos candidatos. Hoje, estão trabalhando na Agexcom Luis Eduardo, Laís Ferreira, Gabriela Souza e Luan Roberto em Publicidade. Bruna Werle e Mayara Mugnol na área de Jornalismo e como mentores estão Marcelo Mayer e Ana Paula Bahniuk, egressos do curso de Publicidade.

propostabO ambiente de trabalho dos comunicadores da Agex também vai mudar. Na última quinta-feira, 6, os coordenados do Curso de Comunicação Social Lúcio Passos, Julliana Biscaia e o professor Robson Fogaça estiveram reunidos com uma equipe da Uniuv para analisarem os projetos de ambientação da Agexcom. Ao todo foram apresentados dois projetos, e a escolha será feita via Facebook. O projeto que receber mais likes na Fanpage da Agência

 

 

Comunicólogos vivem a realidade da produção de um jornal

Repórter: Bruna Tretto – acadêmica do 5º semestre de Jornalismo Uniuv

Repórteres do Jornal ObservatórioOs acadêmicos do quinto semestre do curso de Jornalismo do Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv), tem como tarefa produzir o Jornal Observatório. Neste ano, o jornal traz como tema A Enchente de 1983. Os alunos abordaram o mesmo tema de formas diferentes, nesse caso, A enchente de 83, que atingiu não somente União da Vitória, mas também cidades vizinhas, como Porto União, Irineópolis, Canoinhas e Irati.

O jornal está em processo de diagramação, que esta sendo realizada pelos próprios acadêmicos com a supervisão do Professor Edinei Wassoaski, e em breve estará circulando na faculdade e nas regiões próximas de União da Vitória.

 

MATERIA BLOG BRUNA OK

 

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Semana da Comunicação é cancelada

Repórter: Bruna Tretto – acadêmica do 5º semestre de Jornalismo Uniuv

10 anos
Logo 10 anos Comunicação Social Uniuv (Arte: Cássio Bona Júnior)

O evento dos cursos de Comunicação, que estava marcado para a segunda semana do mês de maio, na sala de eventos do Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv), foi cancelado por problemas com o Fundo de Previdência dos Servidores Municipais (Funprev) dos professores da instituição.

O Funprev é um Órgão de Previdência com regime jurídico único e independente, que exerce um papel fundamental na manutenção da estabilidade social dos servidores públicos. Administrado pela Prefeitura de União da Vitória (PR), o Funprev passa por dificuldades financeiras.

A professora Fahena Porto Horbatiuk esclarece que os professores da Uniuv estão preocupados com o dinheiro da sua aposentadoria, pois se trata da vida futura deles. “O evento não foi cancelado para prejudicar ninguém, foi para todos os cursos esses cortes, pois não sabemos com quanto gasto vamos precisar arcar”, disse.

O Reitor da instituição, Jairo Vicente Clivatti, pediu que os professores dessem uma contenção nos gastos até que o problema fosse resolvido, pois se trata de um evento que custa um grande valor financeiro. “O Reitor pediu que a Semana da Comunicação fosse adiada para o segundo semestre, devido a esses problemas”, disse a professora e coordenadora do curso de Publicidade de Propaganda Julliana Biscaia. O professor e coordenador do curso de Jornalismo, Lúcio Kürten dos Passos, disse que o cancelamento do evento ocorreu devido problemas com prazo para a aprovação junto a administração da Uniuv, que ficou em cima da hora. “Esse foi outro problema e então, por bem, nós decidimos não fazer a Semana da Comunicação nesse semestre”.

A Semana da Comunicação já estava toda organizada, seria uma semana que contaria com a presença de cinco palestrantes, que já estavam convidados. Durante esse evento aconteceria o Madrugadão Criativo, que é um evento bem diferenciado, porque os alunos passam a madrugada na faculdade desenvolvendo oficinas criativa.

Mas para a felicidade dos futuros comunicólogos, no segundo semestre, a Semana da Comunicação, conforme a professora Julliana, irá contar com a presença de palestrantes de grande influência no meio comunicacional e também, na sexta feira, o Madrugadão Criativo, que no ano de 2012, oportunizou os acadêmicos colocarem em prática os conhecimentos de sala de aula, irá vir com novidades.

Alunos de Comunicação Social da Uniuv vão a Curitiba conhecer os maiores grupos de Comunicação do Estado

Repórter: Karoline Bertotto – acadêmica do 6º semestre de Jornalismo Uniuv

Na terça feira, 9, os alunos de Comunicação Social – Publicidade e Propaganda e Jornalismo, rumaram à capital do estado para realizar uma viagem técnica. A organização ficou por conta das professoras Ana Cristina Bostelmam e Angela Farah .

A ideia, de acordo com a professora Angela Farah, surgiu de uma conversa que teve com a turma do terceiro ano de jornalismo. A viagem não saiu no primeiro semestre porque não havia data disponível para a visita à RPC. No segundo semestre, os contatos foram retomados e as visitas agendadas.

Ana Cristina, porém, lembra que a viagem foi planejada de acordo com dois princípios: preço e qualidade. “Temos sempre duas preocupações, que se interligam: fazer uma viagem com conteúdo e fazer com que ela seja acessível financeiramente aos alunos. Buscamos muitos orçamentos e várias possibilidades de visita para poder unir estas duas preocupações”, explica.

Para Angela, a principal contribuição das visitas técnicas está em ajudar o aluno a perceber a importância da profissão para a sociedade. “A principal contribuição das visitas para os alunos é a que o horizonte amplia-se, o mundo cresce, as fronteiras se alargam. Ao conhecer veículos de comunicação de médio porte, mas com uma estrutura muito boa de trabalho, os alunos podem visualizar algo que não temos na cidade, podem pensar melhor sobre suas opções profissionais, avaliar novas oportunidades, fazer novos planos, sonhar mais alto”, afirma.

Logo pela manhã, os acadêmicos foram levados à sede do jornal Gazeta do Povo, no centro de Curitiba, onde assistiram a um vídeo institucional apresentando toda a equipe que forma o Grupo Paranaense de Comunicação (GRPCOM). A mediadora do programa de visitas, Lúcia Müller, ainda lembrou aos alunos um dos valores mais importantes na profissão jornalista: o compromisso com a veracidade, a necessidade em verificar a notícia antes de reproduzi-la.

Segundo a mediadora, a Gazeta conta atualmente com um quadro de funcionários que passa os três mil, entre freelancers e todos que são envolvidos, de alguma forma, para que o maior jornal do estado do Paraná possa acontecer. A Gazeta do Povo existe há quase um século e tem uma tiragem de 42 mil exemplares por dia. Aos domingos esse número dobra, chegando, muitas vezes, as 95 mil edições.

Uma curiosidade esclarecida por Lúcia, é que, com os meios digitais, este número não aumentou, mas não caiu. Destacando a importância em conhecer e experimentar todas as modalidades que o jornalismo oferece, a mediadora guiou os alunos aos setores de fotografia e infografia, redação e parque gráfico, para que pudessem conhecer e entender um pouco melhor o processo de construção da notícia.

A visita na RPC foi à tarde, lá os alunos conheceram dos carros de reportagem aos estúdios dos jornais e programas, passando pela ilha de edição, sala de transmissões e link ao vivo, sweetcher, laboratórios e redação. Na RPC, Lúcia falou um pouco do improviso enfrentado por boa parte dos funcionários que fazem TV diariamente.

Para a mediadora do Programa de Visitas do Grupo RPCOM, poder mostrar aos alunos a estrutura e rotina de trabalho, tanto do jornal, quanto da TV, é fundamental. “É uma experiência muito rica de conteúdo, algo que a pessoa não esquece. Nós da emissora ficamos muito felizes em recebê-los, a gente espera encontrar alguém de vocês nos corredores daqui alguns anos”, afirma.

As visitas ao GRPCOM são diárias e chegam a 250 visitantes por semana.

A última visita do dia foi na Agência de Publicidade Opus Múltipla, uma das maiores do Paraná e que está completando 40 anos de mercado. Lá, agência e grupo de funcionários foram apresentados aos alunos e reforçado valores e características fundamentais de qualquer agência e para qualquer profissional publicitário, como, a pró-atividade, qualidade e excelência.

A Opus Múltipla trabalha com clientes grandes e de diversos segmentos e já foi premiada em muitos festivais, inclusive o maior deles, o Festival de Cannes, em 2008. Está incluída no grupo OM que engloba ainda a House Kricket e a Brainbox, todas do ramo publicitário.

Para os alunos, viagens assim são a oportunidade de conhecerem melhor uma realidade não muito presente em nossas cidades. “Acredito que as viagens técnicas são uma forma de mostrar para o aluno como funcionam as coisas lá fora, como é posto em prática o que vemos em sala de aula.”, conta a acadêmica de Jornalismo do sexto semestre, Bárbara Letícia Franco, que acrescenta: “Serviu também como estímulo para nós alunos. Pudemos ver que o trabalho de nossa profissão é árduo, mas que se realmente gostamos nada é impossível”, completa.

A professora Ana Cristina acredita que além do conhecimento, viajar com os alunos possibilita também o entrosamento e união do curso. “É um momento de confraternização, de estreitar laços de amizade, de curtir um pouco dessa fase tão maravilhosa que é a faculdade”. Para ela, esta foi uma das melhores viagens que já fizeram. “Ninguém se atrasou nos horários, todos participaram com entusiasmo das visitas, não tivemos reclamações, a viagem foi super tranquila. Enfim, todos voltaram muito cansados, mas com certeza valeu a pena”, diz.

 

 

Blog Comunicação Uniuv retorna suas atividades

Repórter: Marcelo Kloczko – 5º semestre de Jornalismo Uniuv

Os acadêmicos do quinto semestre do curso de Jornalismo do Cantro Universitário de União da Vitória (Uniuv) já estão produzindo matérias para o blog de Comunicação. A ferramenta faz parte das atividades da disciplina de Jornalismo Online, ministrada pela professora Ana Cristina Bostelmam. Divididos em duplas, os alunos ficarão responsáveis por uma semana de atualização no mês, com matérias em diferentes meios, como TV, rádio ou redação. A dupla também produzirá atualizações sobre um professor do colegiado de Comunicação e um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).

A professora Ana Cristina criou o blog Comunicação Uniuv com a ideia de aliar a ausência do conteúdo no curso. “A falta de divulgação dos fatos que estavam acontecendo no curso como um todo e também a produção prática na internet foram dois problemas que diagnostiquei. O blog supre esta necessidade e ainda é uma vitrine para os acadêmicos, pois como suas matérias ficam ali expostas, eles podem referenciar o blog, por exemplo, em uma proposta de emprego”, afirma.

Rodrigo dos Reis, estudante do quinto semestre de Jornalismo, percebe a importância que o jornalismo online adquiriu nos últimos anos. “Essa disciplina vai ajudar nós, acadêmicos, na qualificação e na preparação para esse mercado em expansão”, explica.

A acadêmica Karoline Bertotto, também do quinto semestre, acredita que o blog é um elemento importante para os cursos de Comunicação Social da Uniuv. “A importância é que a gente pode aprender e por em prática a teoria, além das técnicas para rádio, TV e redação, características próprias do jornalismo online também”, comenta.

 

A estudante Bárbara Leticia Franco comenta que a turma teve várias ideias para a nova aparência do Blog 2012. “Criamos um vídeo para mostrar para as pessoas ‘quem somos’, de uma forma descontraída. Pensamos nas cores que combinam com o perfil da nossa sala, em como descrever a carreira dos nossos professores de forma breve e criativa”, explica. Já Mayara Solarevicz, da mesma turma que está produzindo o blog, conta que a expectativa é grande para a produção de matérias. “Por ser o primeiro contato com essa mídia é de se esperar que haja surpresas e um grande aprendizado também”, declara.

A professora Ana Cristina comenta que as expectativas para o Blog 2012 são as melhores. Ela percebe que a turma está animada para as postagens e que os alunos possuem competência para produção de um ótimo material. “Estou feliz em retomar esta atividade que, além de me dar muito prazer em fazer, é um processo pedagógico incrível”, comenta.

Faculdade gera mudanças na vida de acadêmicos

Repórter: Marcelo Kloczko – acadêmico do 4º semestre de Jornalismo

Muitas pessoas afirmam que o período da faculdade é o melhor de todos. Mas alguns acadêmicos enfrentam dúvidas em relação ao curso e, principalmente, como será o mercado de trabalho. Os acadêmicos do quarto semestre do curso de Jornalismo do Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv), também enfrentaram algumas dúvidas em relação ao curso e aprenderam muito na faculdade. Eles também afirmam que já sofreram mudanças durante os dois anos do curso e também já fazem planos para o futuro.

A acadêmica Karoline Bertotto tinha em mente a escolha pelo curso desde a sétima série. Ela optou pela área da comunicação por ser mais dinâmica e interessante e também pelo fato de não gostar muito da área de exatas. “Nas aulas de português sempre despertava o interesse pelas redações, principalmente as narrativas. As professoras sempre me incentivam para seguir nesta área”, declara.

Karoline acreditava que a faculdade seria algo maravilho e fácil de ser realizado, mas encontrou uma outra realidade nos estudos. “É preciso ter garra e perseverança para fazer o que quer. Correr atrás estar sempre atualizado e informado sobre os acontecimentos”, ressalta. Ela ainda comenta que as atividades do curso estão ficando cada vez mais difíceis. “No primeiro ano era mais a interação, conhecer os colegas, o curso. O segundo ano já é mais a prática, realizar mais as atividades”, comenta.

A estudante Bárbara Leticia Franco tinha o interesse pela área de Jornalismo desde pequena e hoje não consegue se imaginar atuando em outra profissão, a não ser a de jornalismo. “Se eu não terminar esse curso não me vejo como profissional em outra área”, afirma. Uma coisa que chamou muito a atenção de Bárbara foi aprender a importância de uma pesquisa para a área da comunicação. “A pesquisa é o embasamento de tudo. Caso você não pesquise você corre um grande risco de passar vergonha”, ressalta.

Durante o curso, Bárbara percebeu uma grande mudança em seus hábitos, principalmente em seu senso crítico. Ela admite que cresceu muito, tanto na mentalidade como também em analisar as coisas de outra forma. “Cresci muito nesses últimos dois anos, uma das coisas que mudei muito foi desenvolver um maior hábito pela leitura”, revela.

Já a acadêmica de São Mateus do Sul, Thaís Guimarães Lima, escolheu Jornalismo também por gostar muito de escrever, mas já possuía em sua mente descobrir algo novo para outras áreas, como em rádio e TV. Ela acabou gostando também da área de Telejornalismo, principalmente na área da produção. “Gosto de fazer todos os processos de telejornalismo, deste a elaboração da pauta até o processo mais demorado que é a decupagem”, conta.

Quando terminar o curso Thaís pretende sair de sua cidade natal e procurar algo na área em uma cidade maior. “Uma cidade onde haja vaga no mercado de trabalho, sair com algo em vista já. E pretendo ainda em fazer cursos de especializações”, conclui.

 

Acadêmicos aprovam novo design do blog

Repórter: Bruna Oleskovicz – acadêmica do 5º semestre de Jornalism0

   

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Alunos de PP são sucesso na internet

Repórter: Fernanda Santos – acadêmica do 5º semestre de Jornalismo

Indignados com alguns problemas estruturais do Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv), os acadêmicos do quinto semestre de Publicidade e Propaganda, Emerson Cordeiro da Cruz e Willian Theodorovicz, decidiram usar dos recursos midiáticos para criticar a internet e os lanches do restaurante da faculdade.

A ideia surgiu pela indignação dos acadêmicos com as dificuldades ao utilizar a internet todos os dias na Uniuv, uma vez que o curso de Publicidade e Propaganda utiliza muito o meio de comunicação para o trabalho. “Tem aulas que realmente precisamos desse recurso para desenvolver as atividades, mas é impossível ter um rendimento satisfatório, pois o tempo gasto com a péssima qualidade do serviço impossibilita o desenvolvimento de certos trabalhos em sala de aula com o acompanhamento dos professores”, explica o estudante Willian.
Como os acadêmicos trabalham e estudam, muitas vezes não possuem tempo para se alimentar em casa, e esse foi mais um dos temas tratados por eles. Um local como o restaurante na faculdade que é próximo às salas de aula poderia resolver a dificuldade. “Porém, além do lanche não possuir muita qualidade, o preço não ajuda”.

Para a criação do vídeo, Émerson comenta que as aulas de TV ajudaram um pouco, pois proporcionaram uma noção para editar o vídeo. “Somente alguns minutos de observação de como o operador fazia foi o suficiente para entendermos o funcionamento do programa e como editá-lo’, comenta.

Para a estrutura do programa ‘Reclame Uniuv’ foram utilizadas as câmeras do laboratório de TV e cinema, pois o acadêmico de Comunicação Social possui o direito de utilizá-los para trabalhos relacionados ao curso e a faculdade. E para edição do material, Émerson e Willian usaram o programa Adobe Premiere CS5. Sem muito esforço, ligaram a câmera e iniciaram as gravações improvisadas. “Estávamos somente com um netbook em que anotávamos os principais tópicos. Depois, fizemos a seleção de cenas”, afirma Willian.

ACESSO
A postagem do vídeo na internet foi feita na madrugada do dia 30 de maio de 2011, no YouTube. “Demoramos para editá-lo pela falta de tempo, já que trabalhamos”, esclarecem. Depois de produzido, o vídeo demorou três semanas para a postagem. Em relação ao acesso, no começo do mês de junho, o vídeo já possuía 200 visualizações. “Não fizemos muito esforço para divulgá-lo. Mesmo assim, está com um número razoável de visualizações considerando o número de alunos do curso”, diz Émerson.

HUMOR
No vídeo, algo que chama a atenção é a maneira como o programa é apresentado. Como o humor faz parte do dia a dia dos alunos, eles resolveram adaptar as questões vividas por todos os alunos da instituição neste perfil. “Sempre que algo é engraçado, é mais agradável de ser visto. Apesar de usar o lado cômico, os problemas são reais e afetam diretamente os alunos da Uniuv. O lado cômico mesmo é uma universidade como esta, com inúmeros computadores que exigem acesso constante e simultâneo, demorar tanto para começar a resolver esses problemas”, dizem.

PÚBLICO
Com a criação de um canal no YouTube para falar de assuntos relacionados à Uniuv, os acadêmicos de Publicidade e Propaganda pretendem atingir alunos para que saibam e entendam a realidade da instituição de ensino além da propaganda institucional. Também querem falar diretamente a professores e a direção responsável pela administração da faculdade.

PLANOS E NOVIDADES
Como criaram o canal para divulgação, os acadêmicos agora querem trabalhar mais temas como política e religião que não sejam somente ligados à faculdade e que sejam de forma bem humorada, mas sempre com o intuito de trazer uma conscientização de massa.

COMUNICADO
Émerson e Willian revelam que em breve haverá mais postagens. “Vamos abordar mais um grande problema que a instituição enfrenta e precisamos que os alunos de outros cursos entrem em contato para que possamos relatar outras dificuldades que não temos contato. Se nós, do curso de Comunicação Social sofremos com a falta de estrutura, outros cursos também passam pelos mesmos problemas”, asseguram.
Os alunos pedem auxílio para a divulgação do vídeo também por meio de comentários.

Clique aqui para ver o vídeo do ‘Reclame Uniuv’

Alunos e professores avaliam primeiro semestre dos cursos de Comunicação

Repórter: Marciel Borges – acadêmico do 5º semestre de Jornalismo

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Amizade e Rock’ n Roll: alunos de Comunicação são unidos pela música

Repórter: Pedro Henrique Wasilewski – acadêmico do 5º semestre de Jornalismo

A ideia de fazer música no Centro Universitário de União da Vitoria (Uniuv) está unindo os acadêmicos de Comunicação Social. Além de estudar e se preocupar com trabalhos, provas e com seus TCCs, eles começaram a se reunir durante o intervalo das aulas para se distrair fazendo música. Por consequência, fazem novas amizades e proporcionam momentos de lazer, aliviando a tensão das aulas.

Tudo iniciou em 2009, com a chegada ao curso dos alunos de Irati, que vieram fazer Jornalismo e eram do ramo musical, explica o percursionista e estudante de Publicidade e Propaganda, Luiz Carlos Storck Junior. “Além de toda a emoção e diversão que proporcionamos para nós mesmos, tocando os clássicos do rock and roll nos intervalos, a galera curte o nosso som. A música se tornou algo importante para a gente, pois acabamos utilizando-a em trabalhos, e isso abriu várias portas dentro da faculdade”, conta Storck.

Para os alunos, essa interação cultural fez com que os cursos de Comunicação Social sejam realmente comunicativos. “Isso é muito bom para nós que somos comunicadores, pois colocamos a interação em prática. Essa nossa movimentação cultural faz com que a galera se reúna de forma indireta, assim fazendo com que todos se conheçam”, relata o acadêmico de Publicidade e Propaganda, Cassio Bona Junior.

Desde o primeiro semestre, as turmas de Jornalismo e Publicidade e Propaganda foram unidas pela raiz musical. “As primeiras amizades que fiz dentro da universidade foram por meio da música. Cada um trouxe seus instrumentos e se uniu no fundo da sala, demonstrando seus gostos e afinidades”, conta a cantora Fernanda Santos, do quinto semestre de Jornalismo. Por esse motivo, surgiram propostas para que os acadêmicos representassem a Instituição em eventos culturais. “Isso promoveu minha carreira na faculdade e me trouxe maior desenvolvimento cultural”, explica Fernanda.

Segundo Storck, não adianta só os estudantes se integrarem, é preciso que a universidade faça sua parte. “O Coltec (Colégio Técnico de União da Vitória, que é mantido pela Uniuv) organizou festivais de música anos atrás, e foi bem bacana. Várias pessoas puderam se apresentar e mostrar seus trabalhos na área. A faculdade tem tudo, precisa, e o Diretório Acadêmico tem equipamento para isso. Chegou a hora de abrir oportunidades para o pessoal daqui”, enfatiza.

A Pró-Reitora de Extensão e Cultura, professora Fahena Porto Horbatiuk, apoia os acadêmicos. Segundo Fahena, a arte é uma forma de expressão que manifesta o que há de mais sublime no ser humano, torna o ambiente mais festivo e aconchega as pessoas. “Por isso eu apoio os acadêmicos que têm a iniciativa de fazer desta Casa de Ensino um espaço mais feliz”, afirma a professora.

Acadêmicos do 5º semestre de Jornalismo fazem primeira cobertura de rádio

Reportagem e foto: Renato Stavis – acadêmico do 5º semestre de Jornalismo


No evento em homenagem ao compositor Noel Rosa, realizado na sexta-feira, 21 de maio, acadêmicos do quinto semestre do curso de Jornalismo da Uniuv tiveram sua primeira experiência como repórteres de rádio. Durante a cobertura, os alunos entrevistaram músicos, espectadores e promotores do evento. Segundo a acadêmica Thais Bonfleur, a experiência foi boa. “Os entrevistados têm menos vergonha quando estamos apenas com o gravador. Quando estamos com câmeras, eles não nos recebem tão bem”, relata. Michelle Martins também achou mais fácil do que fazer cobertura em telejornalismo. “Rádio é mais objetivo, você pode conversar com o entrevistado e separar apenas o essencial, que vai para o ar. Como o texto é mais enxuto, o trabalho do repórter é facilitado”, diz.

Continue reading “Acadêmicos do 5º semestre de Jornalismo fazem primeira cobertura de rádio”