Mesa Redonda sobre Gênero na Comunicação foi um sucesso

Conservadorismo e questões religiosas são alguns fatores que fazem o tema de gênero e sexualidade não adiantar no Congresso brasileiro. Mais do que uma “modinha”, o assunto é sério e precisa ser discutido. Em qualquer área é bem-vindo conversar sobre, mas, os futuros comunicadores e formadores de opinião, em algum momento da  carreira irão se deparar com o tema, e é o mínimo saber como lidar e escrever coisas erradas.

Não existe um lugar ideal para debater essas questões, mas é válido e precisa ser ressaltado a importância de se discutir essa pauta, em uma instituição de ensino. Por isso, no dia 21 de novembro, aconteceu no Centro Universitário de União da Vitória, a Mesa Redonda com o tema ‘Gênero na Comunicação’. O evento foi planejado pelos acadêmicos do sexto semestre de Jornalismo, com a orientação da professora Angela Farah.

O evento contou com a presença da professora de História da Unespar, Dulceli Tonet Stacheski, o representante do movimento LGBTI – União da Vitória, Felipe Bueno, da professora do curso de Publicidade, Tatiane Banisk, e como a mediadora a professora Angela.

Os assuntos tratados no dia foram sobre a vulgaridade e desprezo que a mulher é e foi tratada na comunicação e também todo o preconceito com pessoas LGBTI. Desinformação é um ponto característico dessas situações que resulta no preconceito e o uso errado de conceitos ligados a esses dois perfis.

Quando o assunto foi a mulher na publicidade foram dados inúmeros exemplos pelos convidados para compor a mesa e os que foram assistir. Um muito lembrado foi a vulgaridade que a mulher é submetida por algumas marcas. Propaganda de cerveja foi uma lembrada. Algumas marcas de cerveja ainda associam o produto “cerveja” com o produto “mulher”.

Algum tempo atrás as pessoas podiam ver que nas marcas da bebida que as mulheres se tornavam o foco principal da propaganda e os homens que bebiam destas cervejas, tinham o poder de conseguir todas elas apenas por beber a “loira gelada”. Isso ajudou  a prejudicar a imagem da mulher. Outro ponto marcante da noite foi o depoimento de duas publicitárias presentes na plateia, contando a dificuldade de se trabalhar em ambientes quase todos machistas. Uma delas relatou que já fez toda uma campanha, mas na hora de vender o produto final, foi preciso passar para dois homens, publicitários, porque passaria mais credibilidade e venderia mais fácil. Elas destacou que isso só reflete o quão a sociedade machista está impregnada em várias situações e lugares.

 

Guilherme Braiam:

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Felipe Bueno, representante do movimento LGBTI, contou como a imprensa se comporta diante dos manifestos feitos nos últimos anos. Ele conta que no primeiro ano, como foi a primeira vez que aconteceria a imprensa local compareceu em peso. Já no segundo evento que aconteceu esse ano, não teve nenhuma empresa de comunicação para cobrir o manifesto. Bueno acredita, que pode ser um descaso com o movimento, mas não perde as esperanças de um dia ter a imprensa local presente.

A Mesa Redonda teve êxito como um primeiro encontro, e já haverá uma próxima edição no ano que vem sobre outros temas importantes que precisam ser debatidos e estão sendo deixado de lado.

‘Série Criativa’ é produzida por acadêmicos de Comunicação Social

Acadêmicos de Comunicação Social produziram um trabalho com o intuito de mostrar a criatividade trabalhada em sala de aula. O projeto chamado de ‘Série Criativa’ foi criado pelo professor Fernando Gohl

Continue reading “‘Série Criativa’ é produzida por acadêmicos de Comunicação Social”

O desafio do Jornalismo Multimídia foi o tema da Palestra da jornalista Genara Rigotti

“É preciso pensar em como fazer um jornalismo diferente, que seja multiplataforma, ou seja, produzir notícias tanto para o impresso quanto para o digital”.

Continue reading “O desafio do Jornalismo Multimídia foi o tema da Palestra da jornalista Genara Rigotti”

Lançamento do blog de comunicação gera expectativas entre acadêmicos

 

Acadêmicos de todos os anos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda aguardam o lançamento do Blog de Comunicação para saber as novidades do curso e como está no novo layout e plataformas de organização. Continue reading “Lançamento do blog de comunicação gera expectativas entre acadêmicos”

Qual é o sentimento dos acadêmicos dias antes do TCC?

Repórter: Osmari Lopes – acadêmico do 6º semestre de jornalismo

Os formandos do curso de  Comunicação Social do Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv), vivem a expectativa da apresentação dos Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs). As bancas para os acadêmicos de Jornalismo acontecem dias 9, 10 e 11 de  dezembro. Após quatro anos de muito estudo e dedicação, falta pouco, porém, a hora de fechar com   sucesso a caminhada acadêmica, traz uma de alegria, temor e  sensação dever cumprido.

trabalho 02 corte

Marcelo Kloczko, 22, depois de um ano inteiro de trabalho, conta que nos últimos dias o aluno fica meio estranho, porque parece que ainda não caiu a ficha que está acabando o curso. “Quatro anos que você estuda, se dedica e aí vem o TCC que é um ano inteiro de trabalho intenso.  Após a entrega, ainda não caiu a ficha que o ano tá acabando. Parece que a ficha vai cair após a banca final . Passa um filme pela cabeça . Nos últimos dias, temos conversado mais, lembrando de tudo que passamos juntos tudo que vivemos, das aulas,  dos professores e dos acontecimentos pessoais, a gente acaba convivendo durante esses quatro anos de estudo. Ainda não há um sentimento de nostalgia, depois da aprovação na banca final ,  vai bater uma saudade. A gente vai perceber que acabou  e restará apenas o mercado de trabalho”, descreve .

Segundo ele, após a formatura vai mudar a questão de tempo. Durante o curso, o tempo foi dividido entre estudo e trabalho”Isso pesa, agora não é apenas o trabalho. Após a formatura, a  dedicação se volta para o trabalho,  crescer profissionalmente.”  Marcelo diz que durante os quatro anos se perguntou se havia escolhido o curso certo. “Agora com o TCC pronto, vi que ficou do jeito que eu queria e  os comentários que estou ouvindo acho que fiz a escolha certa”, finaliza.

trabalho 01 cortePara a  acadêmica Thais Guimarães de Lima, 21, o aluno passa  quatro trabalhando parece que em função de chegar a esse momento e fazer  o TCC, que simboliza  o resultado de tudo o que aprendeu. “É hora de colocar em prática  mesmo tudo o que você passou , seja na área que você optou , seja rádio, TV, impresso ou online,  e colocar todo seu esforço na naquilo.  A gente sofre bastante, mas também se diverte muito, fazendo um trabalho com o tema escolhido de algo que você gosta.  E vai com tudo.  Passamos por muita coisa nesse período,  raiva,  problema com material que não deu certo, entrevista que furou  e tudo mais”, diz.   Ela ressalta que fez  um Livro Reportagem. “Peguei o material há duas semanas e, ao ver  que  o livro  veio da gráfica  todo bonitinho,   com o meu nome na capa , isso não tem preço.  Ver tudo o que você já fez.  Tudo o que passou e ver o resultado ali. Quando abri a caixa e peguei o livro, nossa, valeu a pena”, diz.

Thaís conta que passou  um filme dos quatro anos da faculdade. Com relação ao TCC, ela diz que o aluno passa por momentos bons e ruins  e por mais que sejam quatro anos, passa muito rápido.  “A gente faz amizades com os colegas, professores,  Agora vai embora , não apenas com conhecimento  mas com muitas amizades.  É bem legal. Após a formatura, tenho planos para  tentar mudar de trabalho  e crescer um pouquinho. Eu estou  fazendo alguns testes, uns trabalhos  para ir para Curitiba.   Minha intenção sempre foi  sair da cidade, estou trabalhando em um jornal  local,  que era o que eu queria até para aprender . Por em prática  o que aprendia em sala  de aula.   Meu objetivo é sair de lá e ir para um local maior.  Nesse momento em estou  visando Curitiba, que é um lugar legal para viver  e seu eu conseguir uma oportunidade , é lá que vou ficar .”

A acadêmica ainda conta que a última semana é engraçado, pois reparou que todos os anos isso acontece: todo mundo dizendo que não aguenta  mais  e não vê  a hora  de ir embora, mas ao mesmo tempo, todo mundo resolve  reunir a turma toda  ir para o bar, descontrair. “Tá acabando, mas todos sentem  que a convivência diária  também tá acabando.  O que está mais forte agora é concluir o curso e passar a banca , mas já  floresce  uma certa nostalgia , as lembrança de tudo.  Essa noção de que ta acabando realmente , essa parte de vivência . Penso que quando passar a formatura,  que é a última reunião formal,  acho que aí a gente vai sentir bastante. Nós vamos tentar reunir a turma não sei de quanto em quanto tempo , para tentar manter mesmo  a amizade que fizemos nesse período”, finaliza.

Semana da Comunicação: Workshop de jornalismo tem resultados positivos

Repórter: Mayara Luana Mugnol –  acadêmica do 6º semestre de Jornalismo Uniuv

 

Semana da cmuncacao 02

Novidades, interação, conhecimento e inovação. Foi assim que a segunda edição da Semana da Comunicação começou. Diferente do ano anterior, essa edição conta com um caráter mais dinâmico já nos dois primeiros dias do evento.

Os workshops realizados nos dias 7 e 8 substituíram o Madrugadão Criativo (uma noite inteira de atividades desenvolvendo projetos envolvendo a comunicação).

As duas agências convidadas para ministrar os workshops trabalharam com comunicação estratégica. A Glóbulo faz o diagnóstico e posicionamento de marcas que já estão no mercado, e a Dialetto trabalha com assessoria de comunicação segmentada em tecnologia. Ambas são de Florianópolis, Santa Catarina.

Na segunda-feira, 7, os trabalhos começaram com palestras. O publicitário Alex Lima, da empresa Glóbulo, e Rodrigo Lóssio, diretor e jornalista da agência Dialetto falaram sobre os produtos que ambas vendem aos seus clientes. A troca de conhecimento proporcionou aos acadêmicos uma base para desenvolver os trabalhos na prática.
Na terça-feira, 8, os workshops foram realizados. Os acadêmicos de Publicidade e Propaganda fizeram o workshop com L ima e Manuella Paula, da Glóbulo, e os acadêmicos de Jornalismo com  Lóssio – Dialetto

O workshop de jornalismo foi dividido em duas partes. Na primeira, Lóssio fez a parte teórica, falando sobre assessoria de imprensa, marketing digital e relações públicas. A segunda, foi a vez dos alunos colocarem em prática os conceitos para desenvolver dois projetos estratégicos. Um sobre assessoria de imprensa e outro sobre marketing digital.
Distribuídos em dois grupos, com alunos de todos os períodos do curso, os acadêmicos tiveram pouco menos de uma hora para montar um planejamento estratégico de um cliente fictício e apresentar o projeto.
Para a acadêmica do sexto período de Jornalismo, Bruna Werle de Oliveira, mesmo com pouco de tempo para desenvolver o projeto, o workshop foi bem proveitoso. “A gente conseguiu conciliar o que aprendeu em sala de aula com o que ele explicou e aplicar para construir o projeto,” conta a acadêmica.
Lóssio ressalta que foi uma experiência muito bacana. Foi a primeira vez em que fez um workshop repassando o dia a dia e o trabalho de uma empresa de assessoria de imprensa. Ele destacou também que o resultado final dos trabalhos desenvolvidos pelos acadêmicos foram concluídos com bastante conteúdo.  Para ele, isso reforça que o aprendizado repassado aos alunos está alinhado com as exigências do mercado de trabalho.  ” Os alunos estavam muito bem preparados, isso mostra o processo de formação que os alunos estão tendo”, explica Lóssio.

 

Acadêmicos de comunicação avaliam o primeiro semestre de 2013

Com o término do semestre letivo que aconteceu na sexta-feira, 12, alunos de comunicação avaliam como foram as aulas.

 Repórter: Lucas Dams – acadêmico do 5º semestre de Jornalismo Uniuv

bruna_kobus
Bruna Kobus, acadêmica de Jornalismo

O término do semestre letivo chegou. Para muitos é hora de descansar para encarar o próximo, outros aproveitaram para aprimorar conhecimentos e começar bem o segundo semestre de 2013. O último dia de aula foi na sexta-feira, 12, desse mês de julho. Para muitos acadêmicos da escola de comunicação da Uniuv o semestre foi de muitas descobertas e esclarecimentos.

Segundo a aluna do terceiro ano de Jornalismo, Bruna Kobus, os seis primeiros meses do ano foram para colocar em prática tudo o que foi aprendido desde o início. “Estamos conseguindo escolher agora qual área podemos seguir quando nos formarmos, acho interessante essa prática”. Além da confiança há expectativa para o último ano. “Ganhamos confiança com os estudos e temos a apresentação do TCC, também já começamos a treinar o que realmente queremos estudar e apresentar lá na frente”, destaca.

Juliano Bertoldi, calouro de Jornalismo, diz que foi muito proveitoso esse primeiro semestre e brinca: “Só não curti última semana (semana de provas), mais ao todo foi muito bom”.

aline_graef
Aline Graef, acadêmica de Publicidade

Para quem está no último é hora de apresentar o Trabalho de Conclusão de Curso, o TCC. Esse semestre ajudou na adaptação entre as matérias da grade acadêmica e as orientações, por isso, foi essencial a atenção com prazos entre trabalhos e protocolos do projeto. Aline Graef, que cursa o quarto ano de Publicidade e Propaganda, diz todos esses meses desse ano foi dedicado na apresentação de seu projeto. “O semestre acadêmico terminou com um alívio após a apresentação do TCC. Todo o trabalho que desenvolvemos durante esse período trouxe muita experiência para o próximo semestre, ajudando a entender a dinâmica do projeto, e o que iremos enfrentar no mercado de trabalho”.

Para Luana Luczka, algumas aulas foram boas e produtivas. “Trabalhos e provas aplicados durante aula sem deixar matéria acumulada”. Mas ela destaca que houve professores que deixaram alguns trabalhos e provas para a última semana e muitos alunos ficaram desesperados. Ela cursa o terceiro ano de Publicidade e Propaganda.

O colega de Luana, Gustavo Freitas, diz que o semestre foi tranquilo, a atenção dada pelos professores foi bastante satisfatória e o conteúdo das disciplinas estava bastante completo. Ele também fala do acúmulo da última semana. “Ruim mesmo foi à correria do final do semestre. Muitos trabalhos, avaliações e ainda o estágio”. Para ele, todos esses trabalhos o deixaram um pouco perdido. “Acabei não fazendo alguns trabalhos para poder entregar outros”.

jornalismo_pp

Projeto Rondon: Aluna de jornalismo é a nova integrante da equipe da Uniuv

Repórter: Lucas Dams – acadêmico do 5º semestre de Jornalismo

bruna_werle_rondon
Bruna Werle de Oliveira, acadêmica de Jornalismo

A equipe do Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv) que integra o projeto Rondon com destino a Nunes Freire (MA) tem uma integrante nova. A acadêmica Bruna Werle de Oliveira, do quinto semestre de jornalismo, foi convocada após a desistência de Thais Ribeiro do curso de Publicidade e Propaganda. Bruna tinha se classificado na nona colocação, sendo a primeira suplente caso houvesse desistência.

Bruna destaca que o projeto é uma lição de vida e cidadania. “Aprender a aceitar cada um como um ser único e tratá-lo com igualdade. Porque não somos mais que eles por sermos do sul, e eles não são menos que nós por viverem em situações precárias”, destaca.

Usar o Rondon para aperfeiçoar seu trabalho, esse é um dos seus objetivos. “Profissionalmente, viver essa experiência abrirá meus olhos e minha mente sobre a cobertura jornalística”, disse. Para ela, essa experiência será um diferencial em sua carreira e contará pontos em seu currículo. Além de ser uma forma de contribuir para um mundo melhor por meio de seu trabalho. “Sei que o pouco que eu fizer será muito para eles”, conclui.

Outra acadêmica participante do projeto é colega de Bruna e também acadêmica de Jornalismo, Mayara Mugnol, que pretende trabalhar junto para desenvolver oficinas relaciona a área da comunicação.

O Projeto Rondon é coordenado pelo Ministério da Defesa. Seu objetivo é promover a integração social na busca de soluções que contribuam para o desenvolvimento sustentável de comunidades carentes e ampliem o bem estar da população. O Rondon é realizado pela parceria de diversos Ministérios e tem o apoio das Forças Armadas, que dão suporte logístico e segurança necessária às operações. Ainda recebe a colaboração de Governos Estaduais, de Prefeituras Municipais e de empresas socialmente responsáveis.

Essa é a segunda vez que a Uniuv participa do Projeto Rondon. Em sua primeira participação os alunos foram atuar em Irará, na Bahia.

 

JUCS retornam à Porto União e União da Vitória e contam com a participação dos alunos da Uniuv

Repórter: Mayara Luana Mugnol – acadêmica do 5º semestre de Jornalismo

Os Jogos Universitários de Comunicação Social (JUCS) serão realizados nos dias 14, 15 e 16 de junho de 2013. Contará com duas festas open-bar e dois dias de disputas das seguintes modalidades: futebol, handebol, basquetebol, tênis de mesa xadrez e vôlei de ambos os sexos. Os jogos surgiram no Paraná por meio da iniciativa dos alunos da UFPR e da PUC-PR. A primeira edição foi realizada em 2006, na cidade de Apucarana. Em 2010, o evento, se expandiu,contando com a participação de faculdades de todo o Sul do Brasil. Desde então, todo ano,o JUCS cresce, agrega a sua organização novas universidades e aumenta o número de participantes.

O evento conta com duas edições: a primeira no final do primeiro semestre (JUCS) realizada no inverno. A segunda edição é no final do ano (JUCS Beach) que acontece no litoral.

Em 2013, será realizada a oitava edição do JUCS nas cidades de Porto União (SC) e União da Vitória (PR). As cidades irmãs já haviam sediado no ano de 2010 a quinta edição dos jogos, no entanto, muitos acadêmicos das cidades anfitriãs desconheciam a existência do evento. Por meio da divulgação e iniciativa dos alunos do sétimo semestre de Comunicação, pela primeira vez, os jogos contarão com a participação dos alunos de todos os semestres de Comunicação Social do Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv).

Os acadêmicos da Uniuv estarão participando de três modalidades: Vôlei feminino, Futsal masculino e Basquete masculino. A iniciativa de promover os jogos vai além de uma competição, é o momento de descontrair, conhecer outras pessoas, fazer novas amizades e fortalecer o vínculo com os colegas de faculdade.

"Penso poder levar adiante e criar, quem sabe, uma atlética. Acho que seria legal”.
“Penso poder levar adiante e criar, quem sabe, uma atlética. Acho que seria legal.”

Para a acadêmica do primeiro semestre de Publicidade e Propaganda, Gabriela Borges Souza, o evento será muito importante para a união do curso, principalmente para quem está iniciando este ano. “O evento pode acrescentar a experiência de participar e ver como é, além de interagir com outros alunos. Por ser acadêmica do primeiro ano, penso em poder levar adiante e criar quem sabe uma atlética. Acho que seria legal”, fala entusiasmada.

Os Jogos reúnem, anualmente, alunos de comunicação (Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Relações Públicas e Comunicação Institucional) das faculdades do Sul do Brasil, com o objetivo de proporcionar diversão,descontração e e integração entre os estudantes.

Acadêmicos do 3ª ano de Jornalismo produzem a 2ª edição da Revista Cobaia

Repórter: Deiwerson D. dos Santos – acadêmico do 6º semestre de Jornalismo

 

Durante o período de quatro anos de estudos, em que acadêmicos do curso de Comunicação Social passam no Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv), muitas atividades são realizadas. Do primeiro ao quarto ano, tarefas gradativamente passam da teoria para a prática, o que dá ao acadêmico do curso a ideia exata de como será a produção no meio jornalístico ou publicitário no mercado de trabalho.

Para exemplo, no jornalismo, há a produção do “Jornal Observatório”, que neste ano teve duas edições, e também a “Revista Cobaia”, que no fim de novembro sairá sua segunda edição. A ideia da Revista surgiu em consequência da produção já existente do jornal, produzido também pelos acadêmicos.

O professor de Redação Jornalística e Planejamento Editorial e Gráfico do terceiro e quarto ano de Jornalismo, Edinei Wassoaski, é quem comanda os alunos em todo o contexto destes dois projetos. Desde a discussão de ideias até o trabalho pronto e impresso.

Perguntado à Wassoaski como e quando surgiu a ideia de criar uma revista, ele diz que se deu pelo fato de já haver o jornal Observatório, assim, era necessário que os acadêmicos também produzissem um material a mais de provável uso no futuro profissional. “Como já tínhamos o Observatório, queríamos incluir algo a mais. Aí surgiu a ideia da Revista Cobaia, isso ano passado (2011). A ideia era justamente dar serviço aos alunos, já que no primeiro semestre eles produzem o Jornal e no segundo semestre eles produzem a Cobaia. O processo para conclusão da Revista Cobaia dura aproximadamente quatro meses, já que é preciso reuniões de pauta, discussão de como vai ser o planejamento gráfico do material e diagramação,” conta.

Rodrigo Reis, acadêmico do terceiro ano de Jornalismo, fala da importância de se produzir um material como a Revista Cobaia no período acadêmico. “Profissionalmente é algo que eu vejo como um algo a mais. Neste período de diagramação da Revista, é quando eu posso direcionar o que eu desejo, é um recurso que posso usar futuramente, e disso, preciso saber ao menos o mínimo de como se faz a diagramação deste tipo de material” relata.

Thaís Lima, que também está na fase de diagramação da Revista, vê que esta realização é uma experiência. “Quanto a diagramação, era uma área que eu esperava muito aprender, tinha muita curiosidade em saber como é este modelo de criação. Tenho vontade de trabalhar nesta área, não imaginava, mas agora trabalharia sem problemas. Tenho ainda algumas dificuldades, mas isso tudo é legal pelo resultado visto depois,” explica.

Thaís ainda fala, que uma produção acadêmica como a Cobaia é fundamental em cada afazer e, realmente prepara para o mercado de trabalho, dando ao aluno, visão e aprendizado.

Elisiane Domainski, acadêmica do quarto ano, também de Jornalismo, produziu a Revista Cobaia em 2011, e conta que o material serviu para seu currículo, o que é muito importante. “Eu produzi uma grande reportagem. A diagramação da Revista foi uma fase que me ajudou muito, já que meu projeto foi embasado nisto. Produzi uma revista para adolescentes,” diz.

Edinei Wassoaski conclui dizendo em que será diferente em comparação ao ano passado. “O projeto gráfico da Revista está mais amadurecido, aprimorado e melhor elaborado,” revela.